CNE defende 10.º ano igual para todos e ensino à distância de disciplinas indisponíveis nas escolas

O Conselho Nacional de Educação aconselha ao Governo que estude a reorganização do ensino secundário de forma a manter “o 10.º ano mais livre e transversal aos diferentes percursos de conclusão do ensino obrigatório, relegando para os 11.º e 12.º anos a escolha das vias de conclusão e acesso ao ensino superior”.

Foto
Rui Gaudêncio

O Conselho Nacional de Educação recomendou ao Governo que estude a hipótese de os alunos escolherem apenas no 11.º ano a via que querem seguir e que, nas zonas sem oferta educativa, possam ter algumas disciplinas à distância.