Branquear o branqueamento do fascismo

João Miguel Tavares acusa-me, juntamente com Pacheco Pereira e Ana Catarina Mendes, de “desonestidade intelectual”. Não retribuirei. Mas recomendo que vá verificar o que realmente foi dito na convenção do MEL.

A denúncia de branqueamento do fascismo na convenção do MEL levou ao sobressalto de alguma direita. Dizem que a palestra era apenas factual e que Nuno Palma referiu que “o Estado Novo é indefensável a nível político”.