Aguinaldo Silva, o mundo a partir da aldeia

A viver actualmente entre Lisboa e São Paulo, o criador de Tieta vê no regionalismo a chave para a universalidade da telenovela. “Quando me perguntam o que acho que falta nas telenovelas em Portugal, respondo: falta Portugal”.

Foto
Apesar da incontornável posição que a telenovela ocupa na formação cultural do Brasil, Aguinaldo ressalta que o formato ainda não é reconhecido como deveria Maria Mendes

Nascido e criado até os 10 anos de idade em Carpina, interior do estado de Pernambuco, no nordeste brasileiro, Aguinaldo Silva é o único autor da história da Rede Globo a ter escrito apenas telenovelas para o horário nobre. Criador de obras fundamentais da teledramaturgia como Tieta, Roque Santeiro, Vale Tudo (em co-autoria), Pedra Sobre Pedra, Fera Ferida e A Indomada, é o vencedor de dois Emmy, um deles pela supervisão da telenovela portuguesa Laços de Sangue. Aguinaldo atribui o sucesso reafirmado de Tieta à conjugação de três factores: ter lido outros livros de Jorge Amado desde cedo, possuir as suas primeiras memórias de vida num lugar pequeno e no interior e, sobretudo, a dimensão libertária que pôde inscrever na obra. Tieta é, de facto, a primeira telenovela escrita fora da sombra de uma censura duramente marcante na produção cultural brasileira durante mais de vinte anos, e constitui-se também como uma resposta à censura. É um exercício e uma experiência de liberdade.