Depois de ter trocado o Brasil por Portugal, Aguinaldo Silva pode estar a caminho da TVI

A Rede Globo e o argumentista de novelas como Tieta ou Roque Santeiro não chegaram a acordo para a renovação do contrato. No Brasil, diz-se que Aguinaldo Silva está a ser sondado pela TVI, mas não há nenhuma confirmação oficial.

Foto
Aos 76 anos, o pernambucano tem um rol de sucessos no seu currículo Nuno Ferreira Santos

O autor e escritor de novelas de sucesso Aguinaldo Silva está de saída da Rede Globo, depois de ter criado alguns dos maiores êxitos das últimas décadas. A residir em Lisboa, onde é proprietário de dois restaurantes e uma loja de sapatos de luxo, e naturalizado português desde o ano passado, o autor poderá estar de malas aviadas para a TVI, depois de rumores de que poderia haver interesse por parte da rede de streaming Netflix.

O jornal A Folha de São Paulo refere que “o canal português (…) sonda o autor para uma novela a ser produzida ainda este ano”. Outras fontes referem a possibilidade de um trabalho de Aguinaldo Silva vir a substituir Na Corda Bamba, a novela de Rui Vilhena que não tem amealhado os resultados desejados pelo canal.

Resta saber se a estação de Queluz pretende também substituir Vilhena por Aguinaldo Silva, sobretudo após as palavras do autor português numa entrevista ao Diário de Notícias, em Outubro, em que justificou as fracas audiências da novela com a “turbulência” e “com o que se está a passar com o canal [da TVI]”. Na mesma conversa, Rui Vilhena teceu várias considerações positivas ao director de programas da SIC, Daniel Oliveira, naquilo que muitos interpretaram como um piscar de olho ao canal da Impresa. “O que se está a passar é que há um senhor na concorrência que se chama Daniel Oliveira que é muito eficaz e que faz o seu trabalho de casa.”

Uma vida de êxitos

Aos 76 anos, o pernambucano Aguinaldo Silva tem um rol de sucessos no seu currículo que não só conquistaram o Brasil como encantaram os portugueses. Desde Roque Santeiro, em 1985, com José Wilker, como o protagonista que dava nome ao título, Lima Duarte e Regina Duarte, até Império, de 2014, que venceu o Emmy internacional de melhor telenovela, passando por Tieta, a novela que, em finais da ainda conservadora década de 80 do século passado, originou vários escândalos ao abordar temas incómodos como o incesto, a prostituição, a homossexualidade ou o poliamor.

Em Portugal, Aguinaldo Silva coordenou a novela Laços de Sangue (SIC), que venceu o Emmy de melhor telenovela em 2011. 

Trinta e cinco anos depois do seu primeiro trabalho para a Rede Globo (Partido Alto, em 1984), a emissora optou por não renovar contrato com o argumentista, muito por causa do fracasso da sua última novela O Sétimo Guardião, sendo, de um rol de mais de duas dezenas de novelas criadas por si (a maioria para o horário nobre), o seu único desaire.

Já hoje, na conta de Instagram do argumentista, a actriz brasileira Susana Vieira reagia à notícia: “Aguinaldo, fiquei pasma com a notícia da sua saída da Globo”, questionando: “Quem vai escrever como você escreve?”

Mas esta não será a única razão pela qual a emissora brasileira dispensou o agora naturalizado português Aguinaldo Silva, depois de, em Dezembro, ter anunciado estar a discutir uma proposta com o mesmo. O autor é um dos grandes nomes com que aquela televisão terá decidido cortar no âmbito do processo de reformulação que está a passar e que já fora iniciado em 2018: o plano Uma só Globo que passa por unificar a TV Globo, a Globosat (canais por assinatura), Som Livre (discográfica), GloboPlay (streaming), Globo.com e DGCorp (directoria de gestão corporativa) e que, apontam os órgãos de comunicação brasileira, poderá levar à dispensa de até 4000 pessoas.

Tieta - 1989/90