Draghi quer eliminar desvantagem salarial das mulheres em dez anos

Governo italiano impôs mínimo de contratação de mulheres com menos de 36 anos a todas as empresas que beneficiem de fundos europeus.

Foto
LUSA/Francisco Seco / POOL

A Itália é, entre os países mais desenvolvidos do planeta, um do dos que apresenta uma das mais baixas taxas de participação das mulheres no mercado de trabalho, mas o Executivo liderado por Mario Draghi tem como meta eliminar, no prazo de uma década, as desigualdades de género que ainda subsistem com um plano que aproveita os fundos europeus a receber pelo país até 2026.

Em entrevista à agência Bloomberg, a ministra para a Família e para a Igualdade de Oportunidades, Elena Bonetti, traça as metas do Governo: “Esperamos que a Itália goze de uma completa paridade de género em 2030, incluindo nos salários”.

Uma das áreas em que a Itália está particularmente atrasada é na participação laboral das mulheres. Apenas 55% das mulheres trabalham, um número que compara com 73% no caso dos homens. Por isso, os incentivos à participação das mulheres estão no centro da estratégia que está a ser delineada pelo Governo.

Entre as medidas tomadas está a criação de programas de melhoria de competências digitais para as mulheres, para que estas aumentem dos actuais 19% para 35% em 2026.

Para além disso, numa das medidas já tomadas, o Governo aprovou na semana passada um decreto que exige que pelo menos 30% das novas contratações feitas pelas empresas que se candidatam a projectos financiados por fundos europeus sejam mulheres com menos de 36 anos.

“Actualmente, apenas 22% das empresas são geridas por mulheres. O plano é aumentar esse número para 30% em 2026, com uma estratégia integrada que irá criar empregos para as mulheres tanto nas empresas privadas como nas públicas”, afirmou a ministra à Bloomberg.