Grávida sem saber, uma mulher teve o filho prematuro durante um voo

Entre os passageiros estava uma equipa médica, que assistiu de imediato a parturiente. Lavinia Mounga, do Utah, nos EUA, apanhou um avião com familiares para o Havai e, a meio da viagem, entrou em trabalho de parto. Problema: não fazia ideia de que estava grávida.

Foto
O bebé, um rapaz, nasceu às 29 semanas DR/Instagram

A gravidez silenciosa é rara, mas nem por isso inédita: trata-se de uma gestação em que, sem quaisquer sintomas, nem sequer o aumento da barriga ou a perda de sangramento regular (que não será menstruação, mas que pode induzir em erro), a mulher não percebe estar grávida até ao momento em que se inicia o parto. Foi o que aconteceu, no dia 28 de Abril, a Lavinia Mounga, do Utah, EUA. “Simplesmente, não sabia que estava grávida, e depois este tipo apareceu do nada”, disse Lavi, como a família a trata, visivelmente feliz durante uma entrevista para a Hawaii Pacific Health. A irmã mais nova da parturiente, num vídeo publicado no TikTok, relata que “ela não tinha sinais, sintomas” e nem “tinha barriga de grávida”.

No entanto, não só o estava como acabou por ter o bebé em pleno voo, quando seguia viagem com destino a Honolulu — o vídeo que testemunha o anúncio do nascimento feito pelo comandante da Delta Air Lines chegou ao TikTok e depressa se tornou viral.

Também o pai do bebé foi apanhado desprevenido. No Facebook, Ethan Magalei, que não seguia viagem com a mulher, apesar de feliz, confessou-se chocado com este “milagre”: “Estou nervoso, assustado, ansioso, empolgado, entusiasmado, chocado — tudo ao mesmo tempo.”

No entanto, a estranheza desta história não se fica por aqui. É que Lavinia Mounga entrou em trabalho de parto num voo onde seguia, nem mais nem menos, uma equipa de profissionais de saúde: o médico de família Dale Glenn, da Hawaii Pacific Health, uma rede de cuidados de saúde sem fins lucrativos que cobre o Havai e a região do Pacífico, e três enfermeiras da unidade de cuidados intensivos neonatais do Hospital North Kansas City, Amanda Beeding, Lani Bamfield e Mimi Ho.

A enfermeira Lani Bamfield contou um pouco do episódio no Facebook: “Se alguém quer saber como está a correr a nossa viagem ao Havai...”: “Fizemos um parto de um bebé de 26-27 semanas na casa de banho do avião, no meio do oceano, com três enfermeiras da NICU, um médico assistente e um médico de família, conseguimos aguentar três horas antes de podermos finalmente aterrar, mas o bebé e a mãe saíram-se bem. Deus estava definitivamente connosco lá em cima.”

O recém-nascido, que recebeu o nome de Raymond Kaimana Wade Kobe Lavaki Mounga, quis conhecer o mundo mais cedo — sabe-se agora que às 29 semanas de gestação — e permanecerá internado durante cerca de dez semanas na unidade de cuidados intensivos neonatais do Centro Médico Kapiolani para Mulheres e Crianças, até atingir a idade gestacional de termo.

Apesar da felicidade que toda a família manifesta, a estada de Raymond no hospital implica um gasto significativo. Por isso, as irmãs de Lavi organizaram uma recolha de fundos para ajudar a pagar a conta. O objectivo é angariar 20 mil dólares e em dez dias já conseguiram 13.564 dólares (11.142 euros).