Morreu Lloyd Price, um pioneiro do rock’n’roll

Músico norte-americano teve várias canções no top-ten na década de 1950, viu-se “ultrapassado” pela notoriedade de um Little Richard, mas manteve a cognome de “Mr. Personality”.

Foto
Lloyd Price DR

A morte aconteceu já na segunda-feira, dia 3 de Maio, foi avançada e desmentida nas redes sociais, mas foi apenas confirmada este sábado pela viúva, Jacqueline Price, à agência Associated Press (AP): Lloyd Price, um pioneiro do rocknroll, faleceu numa clínica em New Rochelle, Nova Iorque, de complicações da diabetes, aos 88 anos.

Desaparece assim mais um dos nomes que ajudaram a definir aquilo que a história da música popular depois classificaria como o rock ‘n’ roll, mesmo se nessa história Price ficaria de algum modo na sombra de outros nomes, como Little Richard ou Elvis Presley.

“Parte muito importante da história do rock, ele esteve ANTES de Little Richard!”, escreveu no Twitter o cantor e membro da E Street Band Steven van Zandt, reagindo à morte de Lloyd Price, e evocando a gravação de Lawdy Miss Clawdy, em 1952, a documentar a sua opinião.

Esta canção, gravada com o selo da Speciality Records, com Price acompanhado ao piano por Fats Domino, tornar-se-ia um dos primeiros grandes sucessos desse novo movimento da música popular americana, chegando a n.º 1 dos tops do R&B. Mais tarde, viria a ser interpretada também por Elvis Presley e por Little Richard.

“Conjuntamente com Fats Domino e David Bartholomew, entre outros, Price criou um som profundo e exuberante, associando os metais e o swing do jazz e dos blues de Nova Orleans, que subiu ao topo das tabelas do R&B e acabou a conquistar as audiências brancas”, diz a AP na avaliação da sua carreira.

Várias canções no top-ten

Ao longo dos anos 50, Lloyd Price conquistaria, de facto, o top ten com novos temas, como Oooh-Oooh-Oooh, Ain’t It a Shame, Tell me pretty baby, Just because, I’m gettin married e Personality (tema que lhe valeria o cognome de “Mr. Personality”), ou a quase-proibida Stagger Lee, como se lhe refere também a AP. Escrita e gravada por Price em 1959, esta canção conta a história da luta entre dois negros, no século XIX, que terminou com a morte de um deles. Este episódio tornar-se-ia uma lenda sucessivamente presente na música popular americana, tendo mesmo inspirado versões de nomes que vão de Woody Guthrie e Duke Ellington a Bob Dylan e aos Clash.

Mas esta década foi também marcante na vida de Lloyd Price, por outras razões menos favoráveis à sua carreira, quando, em 1954, se viu recrutado pelo Exército americano para combater na Guerra da Coreia. No regresso, a Speciality Records que lhe tinha editado os primeiros sucessos, tinha-o substituído por… Little Richard.

Mas Price não se deixou abater e, em 1957, tratou de criar a sua própria chancela, a KRC Records, com a qual editou uma sucessão de canções que o mantiveram à tona. Estava também lançada a sua faceta de empresário, que o levaria não só a fundar novas etiquetas como mesmo a associar-se ao empresário do boxe Don King na organização do lendário combate Rumble in the Jungle, que em 1974 opôs Muhammad Ali a George Foreman em Kinshasa, capital do Zaire – um espectáculo, cujo programa incluiu um festival de música em que actuaram, entre outros, James Brown, B.B. King e Miriam Makeba.

Nascido a 9 de Março de 1933 em Kenner, num subúrbio de Nova Orleans, numa família em que tinha 10 irmãos, fez o percurso habitual dos dotados para a música: estudou trompete e piano, cantou no coro da igreja evangélica da terra e viu depois a sua música e a sua carreira inscritas na história do rock ‘n’ roll – incluindo ter o seu nome no Hall da Fama do RocknRoll, em 1998, no Salão da Fama da Música do Louisiana, em 2010, e no panteão nacional do R&B, em 2019.

Quando, numa entrevista, lhe perguntaram como olhava para o cruzamento que na sua carreira teve com figuras como Little Richard ou Elvis, respondeu, citado pelo jornal espanhol ABC: “Elvis não é o rei do rocknroll, e posso afirmá-lo enfaticamente; Little Richard não é o rei do rocknroll, porque o rocknroll é o grande ritmo, é o ‘skimm pow, skimm pa’, e esse é Lloyd Price”. Uma afirmação da sua identidade, e de uma forma de viver a música e de viver com os seus protagonistas que lhe permitiu, por exemplo, participar nos anos 90 numa tournée europeia com Jerry Lee Lewis e… Little Richard; ou, já em 2005, integrar o elenco do espectáculo Four Kings of Rhythm and Blues, ao lado de outras lendas como Jerry Butler, Gene Chandler e Ben E. King.

Definitivamente, “Mr. Personality”.