Degelo na Antárctida será “catastrófico” para a subida do mar, se não se travar aquecimento global

Dois estudos publicados na Nature salientam que manter o aquecimento global dentro das metas incluídas no Acordo de Paris é crucial para impedir que o degelo das grandes massas de gelo terrestre contribua de forma muito relevante para a subida do nível médio do mar.

Foto
REUTERS/Alexandre Meneghini

Se o mundo continuar na trajectória actual em termos de emissões de gases com efeito de estufa, com o consequente aumento da temperatura global acima de 3 graus Celsius, o degelo na Antárctida terá um contributo “catastrófico” para a subida do nível médio do mar. Contudo, cumprir as metas do Acordo de Paris, de limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius acima dos valores pré-industriais (ou bem abaixo dos 2 graus), tem o potencial de travar essa realidade, podendo reduzir para metade o contributo do gelo terrestre global para a subida do nível do mar. Dois estudos publicados na Nature concluem, por isso, que é necessária uma acção “ambiciosa” na mitigação, para travar o aquecimento global.