Na última década, a Amazónia emitiu mais dióxido de carbono do que absorveu

Entre 2010 e 2019, a floresta amazónica brasileira libertou de volta para a atmosfera 16,6 mil milhões de toneladas de dióxido de carbono, ao mesmo tempo que absorveu apenas 13,9 mil milhões de toneladas deste composto.

Foto
Degradação florestal causou três vezes mais emissões do que a desflorestação BRUNO KELLY/Reuters

Um estudo recente revela que a Amazónia brasileira emitiu quase 20% mais dióxido de carbono para a atmosfera, ao longo da última década, do que aquele que absorveu.

Entre 2010 e 2019, a floresta amazónica, que ocupa grande parte do território brasileiro, libertou de volta para a atmosfera 16,6 mil milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2), ao mesmo tempo que absorveu apenas 13,9 mil milhões de toneladas deste composto. Significa isto que a floresta perdeu biomassa, uma vez que as perdas de carbono foram superiores aos ganhos.

O estudo, realizado por uma equipa internacional e divulgado esta quinta-feira na revista Nature Climate Change, mostra que a humanidade já não pode depender da maior floresta tropical do mundo para ajudar a absorver a poluição e as emissões de dióxido de carbono causadas pelo ser humano, destacada a AFP.

“De certa forma, nós já esperávamos [estes resultados], mas é a primeira vez que temos números que nos mostram que a Amazónia brasileira mudou e é agora um emissor líquido” de carbono, explicou à AFP Jean-Pierre Wigneron, co-autor do estudo e investigador do Instituto Nacional de Investigação Agrícola francês (INRA, na sigla original). Quer isto dizer que o saldo entre as emissões e a absorção de CO2 é agora desfavorável.

“Não sabemos até que ponto esta mudança se pode tornar irreversível”, acrescentou Jean-Pierre Wigneron.

Este fenómeno é particularmente preocupante, uma vez que as florestas são um aliado crucial para colmatar as emissões de dióxido de carbono e combater as alterações climáticas. Só em 2019 foram emitidas quase 40 mil milhões de toneladas de CO2, sendo que cerca de 25 a 30% dos gases com efeito de estufa são absorvidos pelas florestas. No total, as plantas e os oceanos absorvem cerca de metade dessas emissões.

Os autores destacam ainda que “as florestas tropicais da Amazónia correspondem a cerca de 50% de todas as florestas tropicais do mundo e são importantes para a biodiversidade global, hidrologia, clima e para o ciclo do carbono”. Além disso, as florestas tropicais são mais eficazes a absorver e armazenar o dióxido de carbono do que outros tipos de florestas.

Degradação florestal causou três vezes mais emissões do que a desflorestação

A investigação revelou também que a desflorestação quase quadruplicou em 2019 face aos dois anos anteriores — passando de cerca de um milhão de hectares para 3,9 milhões (uma área que equivale quase ao tamanho da Holanda).

Isto poder-se-á dever ao facto de o Brasil ter assistido “a um declínio acentuado na aplicação de políticas de protecção ambiental após a mudança de governo em 2019”, explica o INRA em comunicado, referindo-se à tomada de posse do Presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

Através da utilização de novos métodos de análise de dados de satélite, desenvolvidos pela Universidade de Oklahoma, a equipa de investigadores mostrou, porém, pela primeira vez, que a degradação das florestas contribuiu mais para as emissões de CO2 do que a desflorestação total.

Ao longo do mesmo período, entre 2010 e 2019, a degradação da floresta amazónica brasileira (causada pela fragmentação, pelo enfraquecimento das árvores, pela seca, pelo desmatamento e pelos incêndios, fenómenos que danificam mas não destroem as árvores) causou três vezes mais emissões do que a destruição total das florestas enquanto a degradação florestal contribuiu para 73% das perdas de carbono, a desflorestação contribuiu para 27%. Os autores sublinham, porém, que a área florestal degradada é superior à área desflorestada.

Os investigadores reafirmam que os resultados indicam que a degradação florestal se tornou um fenómeno com um impacto muito significativo nas emissões de dióxido de carbono, exigindo a adopção de políticas urgentes. “Reduzir a degradação florestal na Amazónia brasileira deve ser uma prioridade”, afirmam, destacando a importância destas políticas para alcançar as metas estabelecidas pelo Acordo de Paris.

Os autores notam ainda que, entre 2015 e 2019, registaram-se o dobro dos incêndios florestais na Amazónia, comparativamente com o período entre 2010 e 2014, e concluem que “a conservação da floresta é uma tarefa desafiadora perante secas severas e políticas governamentais que ameaçam as florestas amazónicas”.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários