Muro das Namoradeiras reconstruído, Terreiro do Paço recupera o seu traçado

Turismo de Lisboa anuncia finalização da reconstrução do icónico muro de Lisboa, parte do projecto de reabilitação da área da Estação Sul e Sueste e da Doca da Marinha, que tem cerimónia de abertura marcada para o final do mês.

obras,tejo,fugas,arquitectura,lisboa,turismo,
Fotogaleria
DR
obras,tejo,fugas,arquitectura,lisboa,turismo,
Fotogaleria
DR

O Muro das Namoradeiras, icónico troço ribeirinho de Lisboa, permanecia incompleto desde as obras do Metro na praça, há 25 anos. A finalização das obras de reconstrução foi agora confirmada, voltando a dar ao Terreiro do Paço o seu traçado. 

“Para além do projecto inicial deste património simbólico ter sido respeitado, foram também repostos os postes de iluminação originais e retirado o aterro entre o Cais das Colunas e a Praça da Estação Sul e Sueste”, anuncia o Turismo de Lisboa.

Esta entidade, por “incumbência da Câmara Municipal de Lisboa”, tem a cargo o projecto de reabilitação da área que inclui a Estação Sul e Sueste e da Doca da Marinha – uma “área de intervenção com cerca de 13 mil m2", seguindo projecto dos arquitectos Bruno Soares e Pedro Trindade. A cerimónia de abertura está agendada para o final deste mês”, assinala-se.

Segundo a entidade, a reconstrução do Muro das Namoradeiras “envolveu a inventariação de mais de 400 pedras que se encontravam depositadas nas instalações do Metro da Pontinha e que regressaram ao Terreiro do Paço para serem remontadas de acordo com o traçado original”.

Já os oito candeeiros “que tinham sido retirados há 25 anos” também voltaram. Quanto ao aterro entre o Cais das Colunas e a Praça da Estação Sul, este “já foi retirado”.

“Foi recuperado o relacionamento pleno com o Tejo que existia antigamente”, resume o Turismo de Lisboa.