A nova tendência nas bebidas alcoólicas chama-se hard seltzers

Só nos Estados Unidos, esta categoria já representa 9% do volume total de vendas da cerveja. A Selza é uma das primeiras marcas a trazer o conceito para Portugal, com ingredientes 100% naturais.

cerveja,alcool,alimentacao,consumo,saude,ambiente,
Fotogaleria
A Selza foi fundada por dois amigos, formados em biotecnologia DR
cerveja,alcool,alimentacao,consumo,saude,ambiente,
Fotogaleria
Rui Santos e Pedro Maia, fundadores da Selza DR
cerveja,alcool,alimentacao,consumo,saude,ambiente,
Fotogaleria
Existem dois sabores: lima-hortelã e manga DR
cerveja,alcool,alimentacao,consumo,saude,ambiente,
Fotogaleria
Cada lata tem apenas 75 calorias DR

O álcool é muito calórico e tem quase tantas calorias como a gordura — isso não é novidade. Dentro das bebidas alcoólicas, a melhor opção, em termos de calorias, será a cerveja, com 80kcal por cada 200ml. E se existisse uma bebida ainda com menos calorias, feita a partir de água com gás, sabor a fruta e o mesmo volume de álcool? São as hard seltzers e a Selza foi uma das primeiras empresas a trazer o conceito para Portugal.

Foi numa viagem aos Estados Unidos que Pedro Maia e Rui Santos conheceram as hard seltzers — país onde, em apenas cinco anos, alcançaram 9% do volume total de vendas da cerveja. São águas com gás com sabores a fruta e álcool. Quando voltaram a Portugal — ambos formados em biotecnologia — começaram a pesquisar como produzir a bebida, processo esse que demorou dois anos. “Havia aqui um potencial enorme, com uma bebida que vinha revolucionar o mercado, pelas suas características”, conta o co-fundador da Selza, Pedro Maia, ao PÚBLICO. 

E que características são essas? Menos calorias, menos açúcares, menos carboidratos, sem glúten. O álcool das hard seltzers é obtido através da cana-de-açúcar, explica Pedro Maia, o que permite “ter um álcool mais puro”. As calorias da bebida advêm desse processo de obtenção do álcool. Os restantes produtos usados, além da água gaseificada — portuguesa, claro —, são para dar o sabor à bebida. “Tentamos não colocar mais açúcar para adoçar a bebida para que o consumidor possa gostar mais. Temos em mente esta consciência mais saudável e utilizar tudo produtos 100% naturais”, salienta, por sua vez, Rui Santos.

Foto
Rui Santos e Pedro Maia, fundadores da Selza DR

Usar apenas ingredientes 100% naturais foi “algo muito doloroso”, confessam os fundadores, que dizem terem sido sempre “tentados a optar por outras soluções” mais fáceis. A própria conservação da Selza não utiliza nenhum químico, nem a falta de açúcar é disfarçada com edulcorantes. Os sabores para já disponíveis são lima-hortelã e manga.

A ausência de açúcar tem sido uma surpresa ao provar pela primeira vez a bebida, garantem. “As pessoas estão muito à procura do açúcar e depois quando provam o produto estão à espera que seja algo completamente diferente, quase um iced tea”, relata Pedro Maia. 

Foto
A Selza está disponível em dois sabores: lima-hortelã e manga DR

Para um consumidor que se preocupa com bem-estar

Pedro Maia e Rui Santos procuraram resolver um dos problemas que assola os que se preocupam com uma alimentação saudável, com uma bebida “sem culpa”. “Nós quando fizemos a nossa persona, imaginamos sempre um público que seja mais consciente, que se preocupa com o bem-estar, gosta de saber o que vai pôr à mesa”, explica Pedro Maia. Pela portabilidade da Selza, em lata de alumínio, acreditam que seja ideal para um final de tarde ou para acompanhar um almoço ao ar livre, mas garantem a sua versatilidade.

A sustentabilidade é também uma das preocupações da Selza, e daí também a escolha de uma lata. “O alumínio é um material muito mais sustentável do que o vidro. O seu peso faz com que existam menos emissões de CO2 no transporte e 70% do alumínio já está circulação”, salienta Pedro Maia. Além disso, a embalagem das bebidas — vendida aos packs de 12 — também não utiliza quaisquer plásticos.

Os fundadores da Selza querem ser pioneiros em vários sentidos e dar o exemplo para uma mudança no sector das bebidas alcoólicas, pela transparência. Na indústria alimentar, destacam, tem havido uma “revolução” e os rótulos estão “mais claros”, “mais informativos”. “Na indústria do álcool isso não acontece, não vemos nenhuma marca a ser completamente transparente”, lamenta Pedro Maia, que diz não ser possível, por exemplo, encontrar os carboidratos que uma sidra ou uma cerveja têm na informação do rótulo. Tal informação não é obrigatória, mas os empresários queriam que “o cliente esteja exactamente a par do que está a beber”. Esperam que “se a Selza for uma prova de sucesso, outras empresas queiram entrar por este caminho”.

Para já, a Selza só está disponível para compra no site da marca ou, em Lisboa, nas plataformas de entrega, Uber Eats e Bolt Food. 

Foto
Pure Piraña DR