Quais são os melhores livros para ler ao bebé?

Pesquisas recentes descobriram que tanto a qualidade como a quantidade de livros partilhados são importantes para os bebés, uma vez que isso tem influência directa no vocabulário durante a infância.

Foto
"Não é no 1.º ciclo que as crianças têm dificuldades de aprendizagem, é nos primeiros anos de vida!" Picsea/Unsplash

Os primeiros seis anos de vida são os mais importantes para o desenvolvimento cerebral. Este dá-se através da estimulação e de novas experiências, que resultam no desenvolvimento de novas conexões entre as células (neurónios).

Ler para as crianças, incluindo, por exemplo, na sua rotina antes de dormir, é uma forma de os pais garantirem que influenciam positivamente esse processo de desenvolvimento cerebral. Já várias vezes partilhei convosco o quão importante é lermos para os nossos filhos e quanto mais cedo, melhor. Mas o que devem conter estes livros? E quais são os livros mais indicados para cada faixa etária?

As vantagens de ler histórias desde que os filhos são bebés estão amplamente descritas pela ciência, demonstrando que este hábito tem não só impacto nas competências linguísticas da criança, melhorando o seu vocabulário, mas também para o desenvolvimento de competências de pré-leitura e cognitivas, necessárias a uma aprendizagem escolar de sucesso.

As mais recentes investigações apontam para o quão crucial é ler em voz alta para os bebés, contribuindo para o desenvolvimento da literacia. Não é no 1.º ciclo que as crianças têm dificuldades de aprendizagem, é nos primeiros anos de vida!

Mas existem ainda outras vantagens na leitura em voz alta: reconhecer as palavras, melhorar o desenvolvimento da linguagem, as competências sociais, a compreensão da ligação do som à letra,  desenvolver a curiosidade e a memória, e muitas mais… A leitura partilhada com crianças pequenas é boa para o desenvolvimento da linguagem, e também potencia o seu desenvolvimento cerebral. Trata-se também de uma boa forma de aumentar o vínculo entre pais e filhos, incentivando interacções mútuas, e por último mas não menos importante, é uma oportunidade de passarmos tempo de qualidade juntos.

Pesquisas recentes descobriram que tanto a qualidade como a quantidade de livros partilhados são importantes para os bebés, uma vez que isso tem influência directa no vocabulário durante a infância, nas habilidades de leitura e na capacidade de escrever nomes. Ou seja, quantos mais livros os pais lerem, melhor vai ser o desenvolvimento dos filhos, pelos quatro anos de idade. Além disso, quando a leitura de histórias é incluída na rotina do sono, produz efeitos adicionais, uma vez que estamos a criar no cérebro uma sugestão muito poderosa de relaxamento e de sono, ajudando por isso a induzi-lo.

Aproveite ao máximo o momento da leitura

Quando escolhe um livro para o bebé, aponte para as palavras ao ler, aponte para as figuras e fale sobre as cores ou sentimentos transmitidos pelas imagens. Mova o dedo da esquerda para a direita, para que eles comecem a entender a cadência da leitura. Bebés mais velhos podem ajudar a virar as páginas, olhar as imagens e talvez até começar a inventar as suas próprias palavras ou sons. Mais importante, mostre-se animado com a leitura! Use a expressividade e torne o momento interessante e divertido para eles – deve ser algo que ambos esperam ansiosamente todos os dias.

Dos 0 aos 6 meses

Como a visão de uma criança ainda está em desenvolvimento, escolha livros com pouco ou nenhum texto e imagens grandes e de alto contraste. Considere também livros com material interactivo como fantoches, espelhos ou olho mágico, recomenda Pamela High, MD, autora do estudo de leitura da Brown University e professora de pediatria. Quanto mais maneiras tiver de apreciar um livro, melhor. Se desejar, leia também para o seu bebé livros ou revistas dos seus interesses. Compreender as palavras não é essencial para bebés tão pequeninos. O importante é o tom de voz e o momento de partilha.

Dos 7 aos 12 meses

No meio do primeiro ano, os bebés podem começar a entender algumas das palavras lidas. As mais significativas são os nomes e as coisas que fazem parte da sua vida quotidiana – palavras como “cão”, “mamã”, “pai”, “leite” ou “chucha”.

Como os bebés costumam levar tudo à boca, use principalmente livros maleáveis (livros de pano ou vinil também são bons, embora virar as páginas possa ser mais difícil para o bebé).

Dos 13 aos 18 meses

Agora os pais podem apresentar livros com uma ou duas frases por página. Quanto mais expressivo for a contar a história, melhor. Por exemplo, se estiver a ler sobre animais, faça os barulhos dos animais pois o bebé vai achar engraçado.

Estimule a participação fazendo perguntas como: “O que diz o cão?” ou “Onde está o gato?” Peça ao bebé que aponte para exemplos da vida real, do que é retratado — “Onde está teu nariz?”. Nesta idade, pode mostrar mais imagens de coisas que ele não encontra todos os dias. Além disso, dos 15 aos 18 meses, a criança pode responder a perguntas com uma palavra; portanto, dê-lhe as oportunidades perguntando: “O que é isso?”. Se o bebé responder, os pais poderão ajudar a melhorar o vocabulário, expandindo-lhe o pensamento: “Sim, carro. Esse é um grande carro verde.”

Dos 19 aos 24 meses

Muitas crianças acham a rotina familiar da leitura tranquilizadora. O mesmo vale para livros familiares. Isso ajuda a explicar porque, a partir dos 18 meses, as crianças podem pedir o mesmo livro repetidamente – e porque elas não permitem que os pais alterem o seu desempenho de leitura por um único “miado” ou “vroom”. Além disso, essa repetição obstinada também traz um benefício de aprendizagem: os especialistas acham que ajuda as crianças a entender e depois a lembrarem-se de novas palavras.