Uma homenagem feliz aos mais velhos

A autora reencontra o avô através da memória do banco de madeira em que ele se sentava. A ilustradora vai aos “bolsos das recordações” e também dá de caras com os seus avós.

velhos,ilustracao,criancas,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Luísa Coelho
velhos,ilustracao,criancas,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Luísa Coelho
velhos,ilustracao,criancas,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Luísa Coelho
velhos,ilustracao,criancas,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Luísa Coelho
impar,
Fotogaleria
Luísa Coelho
impar,
Fotogaleria
Cavalo
Fotogaleria
Luísa Coelho
impar,
Fotogaleria
Luísa Coelho
impar,
Fotogaleria
Capa do livro “A Geração dos Bancos de Madeira”, edição Truz Truz Luísa Coelho

A Geração dos Bancos de Madeira foi escrita, segundo Sara Brandão, numa tentativa ingénua de reencontrar o avô nas coisas mais simples. “Recordo-o muitas vezes sentado na cozinha, num desses bancos em madeira, e foi a partir dessa imagem que a história fluiu num tom infantil e ficcional”, conta ao PÚBLICO.

Diz ainda: “Queria abordar a perda, carinhosa e indirectamente, sobretudo aquilo que permanece. Acho que, à medida que vamos crescendo, tudo nos pesa e perdemos uma certa facilidade em recordar aqueles que nos deixaram por aquilo que foram e centramo-nos, em excesso, na sua ausência física.”

A autora, que fundou a editora Truz Truz em 2019 e em família, lembra que “ninguém está preparado para perder alguém que ama”, por isso, ao escrever este livro, aprendeu que “vale a pena avaliar as situações na perspectiva inocente de uma criança, independentemente da nossa idade”. Assim sendo, conclui: “Trata-se de uma história dedicada a todos os avós-memórias e aos netos e netas que, como eu, nunca deixarão de o ser.”

Com uma escrita fluente e imaginativa, Sara Brandão consegue criar uma voz verosímil para uma criança de 12 anos. “Vivo numa casa que não é grande nem é pequena, em frente à casa dos meus avós, que mesmo sendo do mesmo tamanho da minha, é sempre muito maior. A minha casa é branca e sonolenta, porque a maioria do tempo que lá passo estou a dormir.”

Foto
Luísa Coelho

Os nomes dados aos capítulos são bem escolhidos. Desde “Aprender a comer” a “Aprender a lidar” ou a “Aprender a fugir”.

Amigos imaginários, emoções verdadeiras

Para a ilustradora, Luísa Coelho, começou por ser difícil dar corpo à narrativa: “Honestamente, quando comecei, não conseguia ver onde a ilustração poderia caber na história, sendo já um texto tão descritivo e poético, não queria que a ilustração viesse dizer o mesmo que as palavras, parecia-me redundante.”

Por isso andou uns tempos com tudo às voltas na sua cabeça, a esboçar ideias, mas sem nunca gostar do que estava a fazer, conta ao PÚBLICO. “Até que um dia, no Verão, decidi desligar-me parcialmente do texto e pensar no imaginário da criança, desde os amigos imaginários da personagem principal às confusões de pensamentos e emoções que esta menina sentia. Acabei por mergulhar nesse universo.”

Valeu-lhe identificar-se com a protagonista: “Muito! Acho que qualquer neto/a que tenha tido a sorte de conhecer os avós e a oportunidade de usufruir disso se identificará com esta história. Eu tenho o prazer de ser neta e ter os bolsos cheios de recordações dos meus avós, facilmente revejo os meus ‘bancos de madeira’. Assim como esta noção de vermos o tempo a passar e sabermos o quão importante é guardar estes momentos na memória.”

Foto
Luísa Coelho

Colagens e um dedo partido

Luísa Coelho não seguiu uma regra rígida na escolha dos momentos a ilustrar. “Depois de ter percebido onde é que a ilustração iria existir nesta história, foi simplesmente anotar tudo o que dizia respeito ao imaginário da menina, o cavalo cor de beringela Manel, as confusões de vocabulário, as aventuras pontuais que iam acontecendo paralelamente à história principal. E a partir daí, foi passar tudo para o papel e começar a ilustrar as situações que me pareciam mais engraçadas e dinâmicas. No fundo, até ter terminado o livro, não fazia ideia de quantas ilustrações iriam ser, sabia só que pelo menos uma por capítulo tinha de existir.”

Inicialmente, apresentou três ilustrações quase finalizadas à autora do texto, “para poder exemplificar o que andava a magicar e como o queria fazer”. Depois, Sara Brandão deu-lhe “total luz verde para fazer o que quisesse” e então criou “de rajada as outras todas”.

Sobre a técnica, descreve: “As ilustrações são todas analógicas, numa mistura de acrílicos, pastel seco, marcadores e colagem (talvez haja um lápis de cor aqui ou acolá também).”

E conta, bem-humorada, as vicissitudes do processo: “Quando finalmente percebi como iria fazer as ilustrações e com que materiais, nessa mesma semana, parti o dedo anelar da mão esquerda a surfar.” Sendo canhota, ficou atrapalhada, pois não conseguia desenhar como queria. “Não conseguia arranjar posição para a mão a segurar o pincel. Então foi aí que surgiu a colagem, veio por necessidade e no final acabou por resultar bastante bem.”

A Truz Truz já editou online Disse o Mário e O Baile, sendo A Geração dos Bancos de Madeira o primeiro livro materializado.

Foto
Luísa Coelho

“Vou e venho a pé da escola, sozinha. Gosto especialmente das quartas e sextas-feiras. Por não ter aulas à tarde, regresso guiada pelos cheiros que voam da cozinha da minha avó. Sigo numa caminhada de narinas, até à mesa que tem preparada para mim. Um banquete requintado com o carinho do Natal. Até aos meus onze anos almocei todas as quartas e sextas-feiras com os meus avós, sentada num banco de madeira e empoleirada sobre a mesa. Era esta a única vida que conhecia. A única vida que conheço. Hoje tenho apenas doze e mais um ano é coisa pouca para se falar em viver.”

Os dois últimos capítulos são “Aprender a aceitar” e “Aprender a honrar”. Seja.

Mais artigos Letra Pequena e blogue Letra Pequena