De Caxias até Lisboa para matar saudades de uma livraria

Em Lisboa, o PÚBLICO constatou a alegria dos primeiros leitores no desconfinamento das livrarias.

coronavirus,bertrand,livrarias,culturaipsilon,livros,lisboa,
Fotogaleria
Ilyas Kirkan, um artista curdo que vive em Lisboa, veio à procura de livros em inglês na Bertrand Rui Gaudêncio
coronavirus,bertrand,livrarias,culturaipsilon,livros,lisboa,
Fotogaleria
A Livraria Bertrand do Chiado esta manhã Rui Gaudêncio

“Que saudades! Que saudades!” — ouvimos exclamar meia hora depois da reabertura da Livraria da Travessa, a famosa livraria brasileira que se instalou no bairro do Príncipe Real, em Lisboa. “Nós também”, responde Fernanda Teodoro no seu português do outro lado do Atlântico, enquanto ao balcão não pára de atender clientes. Após dois meses de encerramento decretado pelo Governo no âmbito das medidas de confinamento, são muitos os que querem retomar o contacto telefónico com a livraria.

Sugerir correcção
Comentar