Não é tarde nem é cedo: António Rosa vai-nos pôr todos a comer alcagoitas

Em Portugal temos a sorte de ter uns amendoins de luxo em Aljezur, produzidos por um agricultor clarividente chamado António Rosa.

Foto
Daniel Rocha

Desde os cinco anos que sou maluco por amendoins. Fazia às moedas que me davam o mesmo que se faz aos amendoins: torrava-as. Torrava-as numas maquinetas que havia nas estações de comboios. Tinham um aquário cheio de amendoins com pele grená - cor que combinava a matar com o vermelho-bombeiro da máquina - e, para extraí-los, enfiava-se uma moeda (de cinco tostões) na ranhura e era necessário torcer o mecanismo para caírem as desejadas pelo escorrega. Iam parar junto à tampa e, por isso, era preciso ter muito cuidado na recolha dos amendoins que, por vingança, ansiavam bombardear o chão ferroviário, juntando-se às beatas, aos bilhetes rasgados e à serradura, se é que havia serradura.