Oeiras: o Pastus não vai “hibernar” e, depois do coreto, aposta no take-away

Nascido no Verão da pandemia, O Pastus de Paço de Arcos utilizou, durante os meses mais quentes, o coreto situado em frente. Agora, o projecto de Hugo Dias de Castro avança para o take-away, mantendo os pastéis de bacalhau inspirados na receita da avó, mas também os cocktails e um sticky toffee pudding de se ficar a lamber os dedos.

Foto

“Estamos no ano zero, em construção da marca”, afirma Hugo Dias de Castro a propósito do seu restaurante, O Pastus, em Oeiras. E ter um ano zero em plena pandemia é um desafio para o qual ninguém está preparado. Mas Hugo e os seus dois sócios, a mulher, Annakaren Fuentes, e o amigo Nuno Rebelo, estão determinados a atravessar estas águas turbulentas porque acreditam que quem sobrevive a isto, sobrevive a tudo.

É por isso que, obrigados a fechar as portas neste segundo confinamento, apostaram imediatamente no take-away e nas entregas ao domicílio e adaptaram os seus pratos a esta nova realidade.

Foto

Quem, ao longo do Verão de 2020 (o restaurante abriu em Junho), tinha tido oportunidade de conhecer O Pastus, de provar os deliciosos pastéis de bacalhau, estaladiços por fora e leves por dentro, inspirados na receita da avó de Hugo, ou o envolvente bacalhau à Brás, os cocktails, que são uma das apostas da casa (muito impulsionados por Annakaren e com sugestões de harmonização com os pratos), ou as tentadoras sobremesas, interrogar-se-á sobre como se consegue transpor para as nossas casas um menu muito pensado para os petiscos e a partilha.

“Este é um projecto que tem vindo sempre a evoluir, muito pela altura em que nasceu. Isto é um apalpar de terreno. A própria cozinha, desde o Verão até hoje, sofreu uma evolução”, explica Hugo, que nasceu em Guimarães e trabalhou com Ljubomir Stanisic, Luís Baena, Aimé Barroyer, Pascal Meynard, Manuel Lino, e, por fim, com o Grupo Corpo Santo (Casa de Pasto, Rio Maravilha e Carniceiro).

O restaurante é um espaço muito simpático, mas pequeno, com a cozinha aberta, o que permite ver o trabalho da equipa a finalizar os pratos ou a preparar as bebidas. Nos dias de calor, beneficiou da possibilidade de poder usar o coreto que fica mesmo em frente; em tempo de chuva isso deixou de ser possível, e, por isso, dessa carta com muitos petiscos foram evoluindo “mais para uma cozinha de mercado”.

Foto
Os pastéis de bacalhau como são servidos no restaurante e que estão disponíveis em take-away Tiago Maya

E assim surgiram pratos como “A Pesca do Quim”, que diariamente usa o peixe que Quim, o pescador local, tiver apanhado, mas também a utilização dos legumes, enchidos e queijos que vêm da banca da dona Rosa, do Mercado de Paço de Arcos. Começaram igualmente a trabalhar o arroz, mas só quando sentiram que o podiam fazer da melhor forma (no menu take-away há arroz de perdiz em escabeche, 22€).

O pão (que continua a ser fundamental no take-away, onde surge, por exemplo, na sandes de presa com kimchi e rúcula, por 10€, mas também pode ser encomendado sozinho) é feito na casa, com fermentação lenta e as farinhas de Paulino Horta.

Alguns pratos exigiram adaptação. O bacalhau à Brás (26€, 2 pax) vem com a posta em vácuo para juntar ao resto do preparado; o tártaro de atum tem que levar o molho separado (as experiências que fizeram para o entregar já concluído não resultaram), mas os pastéis de bacalhau (cinco, com maionese caseira, 10€) “viajam” na perfeição e chegam ainda mornos. As finalizações que têm que se fazer em casa são muito simples, e até os cocktails chegam até nós em vácuo, sendo apenas necessário deitá-los num copo com gelo (o Negroni, por exemplo, traz até a casca da laranja).

Foto
O Sticky Toffee Pudding Tiago Maya

As sobremesas foram também pensadas para funcionar bem neste modelo: o bolo mousse de chocolate (18€ kg) nasceu já nesta fase de confinamento, enquanto o viciante sticky toffee pudding (6€), que já fazia parte do menu, vem com o molho de caramelo num saquinho à parte.

Pode-se também optar por encomendar uma Cabazada (30€), que inclui 500 gr. de pão, presunto serrano, queijo Ribeira de Alpreade, doce de pimentos e uma garrafa de vinho 2 Terroirs. Os cocktails para take-away ou entrega incluem, para além do Negroni (7€), o Gin Citadelle & Tonic (7€), o Moscow Mule (6€) ou, sem álcool, o chá frio da Companhia Portugueza do Chá (3€).

Foto
Os cocktails e o chá chegam a casa dos clientes em vácuo Tiago Maya

Pensado há já alguns anos, nascido no Verão em que todos quisemos acreditar que o pior da pandemia já tinha passado, O Pastus tem aprendido a adaptar-se às circunstâncias. “Para nós nunca fez sentido hibernar”, sublinha Hugo. “É um projecto em que realmente acreditamos, em que estamos a apostar as fichas todas.” Por isso, vão continuar a trabalhar todos os dias, até poderem abrir de novo as portas. É O Pastus em casa, antes do muito desejado regresso à rua.