Covid-19: “Propagação do vírus está descontrolada” em Londres, assume Sadiq Khan

Presidente da câmara da capital britânica declara “incidente muito grave” na cidade, figura jurídica que prevê a coordenação dos vários serviços de emergência. Hospitais estão sobrecarregados.

Foto
Actualmente há mais de 7 mil pessoas internadas em Londres com covid-19 ANDY RAIN/EPA

O presidente da câmara de Londres, Sadiq Khan, assumiu esta sexta-feira que a propagação do coronavírus pela capital britânica está “descontrolada” e que os riscos de ruptura dos hospitais londrinos são bastante reais. 

O político trabalhista declarou um “incidente muito grave” (major incident) em Londres, uma figura jurídica que já tinha sido utilizada, por exemplo, no grave incêndio na Grenfell Tower (2017) ou nos ataques terroristas na Ponte de Westminster (2017) e na Ponte de Londres (2019).

Esta declaração prevê a coordenação entre os vários serviços de emergência de Londres para uma resposta mais robusta e lesta a uma situação “complexa e urgente”.

“Um em cada 30 londrinos tem covid-19. Se não tomarmos medidas imediatas agora, o nosso NHS [serviço nacional de saúde] ficará sobrecarregado e vão morrer mais pessoas”, alertou Khan. 

“A dura realidade é que iremos ficar sem camas para doentes nas próximas duas semanas, a não ser que a propagação do vírus desacelere gradualmente”, acrescentou o mayor londrino.

Segundo os números revelados pelas autoridades de saúde e citados pelo Guardian, entre o dia 30 de Dezembro e o dia 6 de Janeiro houve um aumento de 27% dos pacientes internados em hospitais de Londres e de 42% dos que necessitam de ventiladores.

Verificou-se ainda um aumento de 35% dos internamentos, em comparação com o pico da pandemia de Abril do ano passado. Actualmente há mais de 7 mil pessoas internadas em Londres, diagnosticadas com covid-19.

Para além disso, revelou Sadiq Khan, o Serviço de Ambulâncias de Londres está a atender, por esta altura, cerca de 8 mil chamadas telefónicas diárias – mais 2500 que num dia típico agitado.

Inglaterra entrou no início da semana num novo confinamento, que durará pelo menos seis semanas, e que foi decretado para travar a propagação do coronavírus, particularmente da sua nova variante, cuja transmissão é bastante superior à estirpe mais comum do vírus.

A covid-19 já fez cerca de 78 mil mortos em todo o Reino Unido, que já registou mais de 2,8 milhões de infectados pelo coronavírus desde o início da pandemia.