Três mortos em atentado terrorista na Ponte de Londres

Uma das vítimas morreu já no hospital e três pessoas ficaram feridas, disse a polícia. O homem atacou pessoas na Ponte com uma faca e acabou por ser morto pela polícia. As autoridades confirmaram que o colete de explosivos que envergava era “falso”.

O ataque desta sexta-feira na Ponte de Londres, em que um homem esfaqueou cinco pessoas, foi um “atentado terrorista”, anunciou o comissário da polícia britânica, Neil Basu. O homem, ainda não identificado, foi morto a tiro pela polícia. Três pessoas morreram (incluindo o atacante) e três ficaram feridas, confirmou a polícia.

O indivíduo usava um colete de explosivos falso e a polícia já garantiu que ia continuar a fazer buscas na área – as estações de metro mais próximas, Monument e London Bridge, foram encerradas, e a circulação na ponte foi suspensa. O cordão de segurança vai manter-se por “tempo considerável”. Para o local, além de vários carros de polícias, foram enviados cães pisteiros.

“Dada a natureza do incidente, respondemos como se estivesse relacionado com terrorismo. E posso agora confirmar que foi declarado como incidente terrorista”, disse Basu na sede da Scotland Yard, em Londres. “Homens do comando de contra-terrorismo da polícia metropolitana estão agora a comandar as investigações, mas devo realçar que mantemos abertas todas as possibilidades quanto aos motivos [do ataque]”, continuou. Basu confirmou que o “engenho explosivo”, ou seja o colete, do atacante era “falso”.

De acordo com a informação que está a ser avançada pelo The Guardian e pela Sky News, o homem estava a usar uma pulseira electrónica na altura do ataque e tinha sido há pouco tempo libertado da prisão onde esteve a cumprir pena por crimes relacionados com terrorismo.

Como tudo se passou

Ao início da tarde a polícia recebeu um alerta de ataque na Ponte de Londres; pelo menos dez pessoas foram feridas, algumas estão em estado grave. Perto das duas horas, já com o atacante identificado e imobilizado no chão, a polícia disparou, matando o suspeito. 

Um jornalista da BBC diz que viu um grupo de homens em confronto e que depois ouviu dois tiros. “Pareceu haver uma luta a decorrer, com vários homens a atacarem um outro”, disse John McManus. “A polícia chegou depressa, incluindo polícia armada, e vários tiros foram disparados contra o homem”. 

Nas imagens divulgadas no Twitter por várias testemunhas, vêem-se pedestres a agarrarem um homem e a mantê-lo no chão e três polícias chegam e tentam controlar a situação. Os civis afastam-se e um polícia mantém-se sobre o homem, enquanto outro, mais afastado, dispara uma espingarda automática, matando o suspeito.

Uma testemunha a bordo de um autocarro que estava na ponte no momento em que tudo se passou disse ter visto um colete por debaixo das roupas do atacante. “Ele tirou o casaco e viu-se que tinha algum género de colete por baixo, não sei se era de protecção ou de explosivos, mas a polícia [quando o viu] afastou-se depressa”, disse Kirsten Jones à BBC. 

A polícia evacuou a ponte e criou um cordão de segurança à sua volta.

“Houve uma correria e toda a gente se escondeu debaixo das mesas”, disse à BBC Noa Bodner, que estava num restaurante junto da Ponte de Londres. “Disseram-nos para ficarmos longe das janelas”, continuou. O gerente do restaurante trancou as portas. 

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse no Twitter estava a “receber actualizações” sobre o ataque e agradeceu à polícia e aos serviços de emergência pela “rápida resposta”. Algumas horas depois, antes de uma reunião em Downing Street, o primeiro-ministro descreveu a morte dos dois cidadãos como “comovente” e não quis revelar se o indivíduo já estava referenciado pelos serviços de segurança ou pela polícia antes do incidente. ​

Disse também que “há muito argumenta” que é um “erro permitir que criminosos graves e violentos saiam da prisão mais cedo” e que “é muito importante que abandonemos esse hábito e imponhamos as sentenças apropriadas para criminosos perigosos, especialmente para terroristas”. Johnson anunciou ainda que todas as campanhas políticas em Londres foram suspensas por tempo indeterminado e que ia ser imposto um reforço policial na cidade.

Esta sexta-feira ficou também marcada por outro ataque com uma arma branca noutra cidade europeia. Em Haia, na Holanda, três pessoas foram esfaqueadas numa das principais ruas comerciais da cidade. A polícia holandesa procura o presumível autor do ataque.