Wall Street atinge máximo com luz verde ao plano de estímulos económicos

Principais índices de Nova Iorque reagem em alta ao recuo de Trump e à aprovação do novo pacote de ajudas.

Foto
Os sectores financeiro e energético destacam-se na sessão desta segunda-feira em Nova Iorque Reuters/Chip East

Os principais índices bolsistas norte-americanos atingiram máximos históricos na abertura da sessão desta segunda-feira em Wall Street, com o comportamento dos investidores a reflectir a aprovação do novo pacote de estímulos à economia, que faz subir as ajudas para 2,3 biliões de dólares, cerca de 1,9 biliões de euros (milhões de milhões).

É a primeira sessão em bolsa em Nova Iorque depois de o presidente cessante dos Estados Unidos, Donald Trump, ter recuado e dado luz verde no domingo ao novo plano de estímulos que fora negociado entre republicanos e democratas. Desfeito o impasse na Casa Branca, a decisão está a levar a uma variação positiva das acções no sector financeiro e energético, refere a Reuters.

Seguindo a trajectória positiva que se fez sentir na Europa, o índice norte-americano S&P 500 avança 0,83%, enquanto o Dow Jones e o Nasdaq Composite seguem a crescer 0,74%.

Na Europa, onde começou a vacinação contra a covid-19, os ganhos entre as principais praças são mais expressivos em Frankfurt, onde o Dax fechou o dia a subir 1,49%. A bolsa parisiense encerrou igualmente em alta, com o CAC 40 a avançar 1,2%. Em Madrid, o Ibex-35 cresceu 0,54% e em Milão o FTSE Mib subiu 0,72%. O PSI-20, da Bolsa de Lisboa, encerrou a crescer 1,53%.

Síntese desse movimento é a variação do Stoxx 600, que agrega as 600 maiores empresas cotadas na Europa, e que apresenta um crescimento de 0,68%.

A notícia da aprovação do plano de estímulos está também a levar a uma subida dos preços do petróleo, a uma valorização do euro e a uma descida das taxas de juro da dívida na região da moeda única.

O pacote de estímulos inclui o segundo plano aprovado este ano, de 900 mil milhões de dólares (737 mil milhões de euros) e 1,4 biliões de dólares (1,15 biliões de euros) para financiar a Administração norte-americana até Setembro de 2021. Inclui cheques directos, como o reforço do subsídio de desemprego, apoios às rendas (através de dinheiro e de moratórias) e de ajudas (empréstimos) às empresas para o pagamento de salários.

As ajudas às transportadoras também estão a impulsionar o índice S&P 1500 das companhias aéreas, que avança 1,49%.