Abel Chivukuvuku: “Recebi ameaças de que posso ser baleado no sábado e mandei dizer que não tenho medo”

O antigo conselheiro de Jonas Savimbi viu o partido que queria registar ser chumbado pelo Tribunal Constitucional, mas não vai desistir de participar nas eleições de 2022. E para provar que tem muita gente a apoiá-lo convocou uma manifestação para sábado. “É preciso que o MPLA perceba que não é por via da violência que se realizam as sociedades”, diz.

Foto
"Estamos num nível de exaustão em que já não aceitamos mais esse abuso de poder por parte do MPLA", diz Chivukuvuku Ampe Rogério/LUSA

Com o último recurso para o Tribunal Constitucional rejeitado, depois de um processo que se prolongou por mais de um ano, o Partido do Renascimento Angola-Juntos por Angola (PRA-JA) não vai passar da comissão instaladora, mas isso não demove o antigo conselheiro de Jonas Savimbi e dirigente da UNITA de manter o objectivo de concorrer às eleições gerais de 2022. Até porque Abel Chivukuvuku está convencido que as primeiras eleições autárquicas de Angola continuarão a ser adiadas pelo MPLA porque, na sua opinião, o partido no poder há 45 anos tem medo de perder a hegemonia na administração local.