Web Summit ponderou mudar-se para a Ásia, mas fica em Lisboa sem abdicar dos 11 milhões do Estado

Paddy Cosgrave diz que uma edição 100% virtual não fica mais barata. E entende que esta é a melhor solução para todos. “Poderíamos ter recebido 25 milhões e ir embora.”

Foto
Paddy Cosgrave, fundador da Web Summit Rui Gaudencio (arquivo)

A próxima edição da Web Summit começa dentro de seis dias e vai custar na mesma 11 milhões de euros ao erário público (três milhões da Câmara de Lisboa e oito milhões do Governo). Mesmo transformada num evento 100% virtual, a edição 2020, de 2 a 4 de Dezembro, não fica mais barata, confirma o fundador daquela conferência de tecnologia.