Nove episódios de Inverno e três de inferno para conhecer o Douro e Trás-os-Montes “visceral”

João Pedro Marnoto pegou nos registos do Douro e Trás-os-Montes e dividiu-os em Nove Meses de Inverno e Três de Inferno. O primeiro episódio do filme-documentário “visceral”, que rouba o nome a uma expressão típica desta zona rural, mostra o Outono. Estreia-se esta sexta-feira, 13, em simultâneo no P3 e no canal de YouTube do autor, que vai publicar um episódio por mês. “Dividir o filme foi muito literal. A construção já estava feita em segmentos, começa na poda e acaba nas vindimas”, resume João Pedro Marnoto, que não quis quebrar “a ligação com o ciclo da natureza” e o calendário dos trabalhos agrários e das tradições da região onde viveu dez anos. 

Anos depois, de volta ao Porto e à cidade onde nasceu e vive, apercebeu-se que tinha em mãos “um trabalho muito actual com as discussões do mundo de hoje”. Achou que faria sentido mostrá-lo em território neutro, depois de ter projectado o documentário durante a época de festas de Verão de 2018 em igrejas, currais, um lagar de azeite, com a instalação de projector, tela e sistema de som ao bom estilo de cinema ambulante”, em aldeias e lugares de Alijó, Vimioso, Miranda do Douro, Macedo de Cavaleiros, Oliveira de Azeméis, Bragança, Carrazeda de Ansiães e Paredes de Coura. 

Em 2021, a exposição do projecto que conta também com um trabalho fotográfico (e um livro), vai, pela primeira, sair do Douro e de Trás-os-Montes. Por agora, no sábado, inaugura-se no Espaço Miguel Torga, em Sabrosa, com entrada livre até 6 de Janeiro. Para quem está longe, fica aqui uma pequena amostra de um retrato a partir dos registos quase diários de alguém que quis tornar nativa a ideia “muito exótica que tinha do meio rural”. Esté o resultado de uma introspecção pessoal que, quando terminou, ficou longe “de ser um olhar fofinho da região”. 

  • Ver Fé nos Burros, outro filme-documentário de João Pedro Marnoto sobre a importância de preservar o o gado asinino e muar de Alfândega da Fé, em Bragança. 

Sugerir correcção