Entrevista

PSD admite apoio do Chega a nível nacional. “O apoio às nossas propostas não se recusa”

Nuno Morais Sarmento garante que o PSD nunca partirá para as legislativas com uma plataforma que inclua o Chega, mas não risca este partido de um eventual apoio pós-eleitoral, como PSD-Açores fez com partido de Ventura.

O vice-presidente do PSD, Nuno Morais Sarmento, não tem dúvidas de que o Chega tem “posições xenófobas e racistas”, mas considera “mais grave” o PS governar com “um partido revolucionário que nega os princípios básicos da democracia”, o BE, do que o PSD aceitar o apoio ao seu programa de partidos da extrema-direita. Em entrevista ao PÚBLICO-Renascença, que pode ouvir esta quinta-feira na íntegra às 23h, Sarmento frisa que o PSD não abdicou de nenhuma proposta e acusa António Costa de ter sido “profundamente irresponsável” ao descartar a eventual ajuda dos sociais-democratas no Orçamento do Estado para 2021.

André Ventura disse na quarta-feira, saudando Rui Rio: “Temos aqui um caminho aberto para podermos fazer um verdadeiro percurso de transformação em Portugal.” Que caminho é esse?
Nos termos que descreve, é um caminho pelo qual tem de perguntar ao dr. André Ventura. Não faço a menor ideia qual é o caminho. Aliás, faço. Todos conhecemos o programa do Chega. É um caminho comum com o PSD? Não. Se me pergunta se o Chega tem posições xenófobas, tem. Tem posições racistas? Tem. São posições com que alguma vez eu concordarei? Não. Daí a darmos o salto mortal, que António Costa tenta todos os dias impingir na televisão, que é o de que fizemos um acordo com o Chega para a governação dos Açores, não. Fizemos um acordo com o CDS e o PPM e há dois partidos que são o Chega e o Iniciativa Liberal que apoiaram essa solução política – também era estranho que fossem apoiar uma solução de esquerda. Ao contrário de António Costa que ouvimos todos os dias virar-se para o BE e dizer: “É convosco que eu quero fazer caminho”, não nos ouve dizer isso ao Chega.

Não é com o Chega que quer avançar?
Se o Chega, a IL ou o PCP em algum momento viabilizarem uma solução protagonizada pelo PSD, o PSD não passa a ser comunista, socialista ou o que for por causa desses que o apoiaram. O que importa é saber com quem queremos fazer um caminho comum, que é isso que os portugueses perguntam. Qual é a proposta política? Qual é o sentido político da governação dos Açores? É aquele que o PSD, CDS e PPM definam.

Nos Açores existe um acordo com CDS e PPM, mas existe também um acordo escrito com o Chega que diz que o Chega viabiliza os orçamentos e compromete-se a não deitar abaixo um governo do PSD através de moções de censura. Isto significa que, no plano nacional, o PSD poderá chegar ao governo com o apoio da AD e aceitar fazer um acordo escrito com o Chega em que ficará lá escrito que o Chega se compromete a não tirar o PSD do poder?
Foi isso que se fez nos Açores.

E é o que pode vir a acontecer no plano nacional?
Nos Açores fez-se, porque aquilo a que o Chega e a IL se resumiram como proposta política é aquilo que conhecem. Os partidos são a sua ideologia e a sua praxis política. O BE saúda a Venezuela, a Coreia do Norte, e propõe a via revolucionária trotskista. O PCP afirma a nacionalização dos principais meios de produção.

O Chega é racista e xenófobo. Esses partidos não o são.
Agora vai dizer: vamos cá ver se há aqui um salto entre o ser xenófobo e o propor uma via revolucionária de desrespeito pela iniciativa privada, pela colectivização dos seus meios de produção. Para mim, é tão aberrante uma coisa como a outra.

É igual?
Não vale a pena ir por aí e brincar às armadilhas. Eu sei o que são direitos fundamentais dos cidadãos e sei as diferenças. Em 2011, tínhamos um país tão torto politicamente que tínhamos a extrema-esquerda à porta do Governo e a extrema-direita à porta da clandestinidade. Não estou a dizer que é igual a posição xenófoba ou a via revolucionária que rouba a iniciativa privada e a propriedade privada às pessoas, mas, politicamente, extrema-direita e extrema-esquerda, na medida em que são partidos que negam a democracia, em que admitem outras vias que não as tradicionais democráticas que todos subscrevemos, para mim estão à mesma distância. De mim estão à mesma distância. O que vemos é um apoio por parte de um partido, o Chega, a uma proposta política que não é deles, mas que é do PSD, CDS e PPM. Isto levanta mais poeira política do que ter o PS a dizer: “Eu quero fazer este caminho não com o apoio mas com as propostas do PCP e do BE”Para mim, politicamente, é mais grave e tem mais consequências eu querer fazer caminho com um partido revolucionário que nega os princípios básicos da democracia do que eu aceitar que apoiem e votem no meu programa partidos que são partidos da extrema-esquerda ou da extrema-direita. Só tenho pena que 99% dos portugueses não tenham olhado para o programa do BE.

De novo a pergunta: o que aconteceu nos Açores pode vir a acontecer no plano nacional ou não?
O PSD não pode dizer que vai rejeitar, nem ninguém pode, no seu perfeito juízo, dizer: “Não, eu não deixo que votem em mim.”

Não, não é isso.
É. O que há nos Açores é isso, não há nenhuma participação no governo. António Costa está tão envolvido naquele casamento com o PCP e o BE que acha que o PSD fez uma coisa parecida. Não fez.

A nível nacional, o PSD nunca dirá que não a um acordo com o Chega que faça com que este possa viabilizar os orçamentos ou não deitar abaixo um eventual governo PSD através de moções de censura?
As condições em que os outros queiram apoiar ou não apoiar não sei. Mas há uma coisa que lhe digo: o PSD nunca se proporá a fazer caminho conjunto com o Chega tal e qual o Chega existe hoje em dia – não sabemos o que o Chega será amanhã tal como o PS está a fazer com o BE e o PCP, ponto.

Rui Rio diz que se o Chega se moderar há condições.
Se o Chega deixar de ser o Chega e passar a ser outra coisa. Enquanto mantiver no seu calendário de iniciativas estas propostas, de certeza que estamos em estradas diferentes. Rui Rio, que até há três semanas era acusado pelos media de ser de esquerda, agora de repente deu uma cambalhota mortal e é um perigoso direitista. Eu atiro-me para o chão a rir com isto.

Não é oportunismo da parte do PSD, como disseram 50 personalidades de direita na carta aberta publicada esta semana no PÚBLICO?
Respeito muito algumas pessoas que lá estão e concordo com muito do que lá está. Mas não percebo no fim do texto se sim ou não. Não há ali nenhum sim ou não, só considerações. Qual é o caminho? Qual é a solução? Estamos a falar de política, não estamos a falar de filosofia. É extraordinário: o PSD é acusado de oportunismo, porque há um partido que apoia as propostas do PSD. O PSD não apoia as propostas desse partido e está claro que não há nada que tenha sido alterado na proposta política do PSD, CDS e PPM por força do apoio da IL e do Chega. E nós estamos aqui com esta conversa quando de sinal igual temos o primeiro-ministro a dizer: “Eu quero fazer caminho com trotskistas, marxistas e leninistas.” 

Quais as linhas vermelhas que PSD tem em relação ao Chega?

Não acho o posicionamento político do Chega mais distante do centro da democracia do que o do BE. Tem é propostas que em concreto são absolutamente inaceitáveis. O PSD não fará caminho conjunto com o Chega, como o PS fez com o BE. Nunca faremos uma plataforma, uma proposta política conjunta, uma solução de governo com este Chega, como António Costa está a fazer com o BE. E não fará como António Costa fez que é dizer uma antes e outra depois. António Costa tem essa plasticidade política de ir boiando consoante a maré. 

Mas não recusará apoio, se tiver uma maioria relativa e precisar de mais apoios?
Já viu alguém recusar o apoio ou o voto de alguém? Diga-me como é que isso funciona.

Estamos a falar de contrapartidas. Não é o apoio por si só.
O apoio às nossas propostas não se recusa. O PSD não pedirá ao Chega: “Dêem-nos as vossas propostas para incluirmos no programa que vamos apresentar aos portugueses.”

E nas autárquicas pode ter candidatos em comum com o Chega?
Não.

E coligações com outros partidos?
Isso sempre teve. 

Acha que é possível algum dia um partido ganhar com maioria absoluta o governo, ou seja, não terá de passar a haver sempre coligações?
Não acho de todo impossível. Ao contrário do que tradicionalmente aconteceu, a relação política deixou de ser uma relação mediada pelos partidos. É fundamental perceber isto, seja Marcelo Rebelo de Sousa, seja Trump, ao ver todo o tipo de soluções que têm surgido e que muitas vezes são maioritárias.

Mas estamos a viver um momento novo em que há mais partidos na Assembleia da República.
Mas é tão forte a relação directa entre o protagonista político e o cidadão, veja Marcelo Rebelo de Sousa, que dependerá muito mais dos protagonistas políticos do que das propostas político-partidárias que eles subscrevam.

Isso não é uma mais-valia para André Ventura?
Porquê? Também é uma mais-valia para Marcelo Rebelo de Sousa. Isto tem que ver com personalidades concretas. Dos responsáveis políticos do PSD, parece-me que aqueles que estabeleceram uma relação directa com os eleitores foram Sá Carneiro, Cavaco Silva em certa altura, Santana Lopes, Rui Rio.

Rui Rio?
Sim, por causa do Porto. Quem não perceba isso não percebe a intervenção política de Rui Rio. 

Se o PS não conseguir aprovar o OE21 com a esquerda, o PSD está disposto a viabilizá-lo?
Eu acho que já ficou claro. Acabou.

Porque Costa disse que no dia em que a sua subsistência depender do PSD este Governo acabou, é isso?
Ou anda a brincar com os portugueses ou António Costa no dia em que precisar do apoio do PSD vai-se embora. Portanto, está a fazer-me uma pergunta que não se coloca. Mas deixe-me chamar a atenção para uma coisa. Temos estado de emergência até quando? Dia 23. Depois temos aprovação do OE dia 26 e depois temos mais uma coisa que é o congresso do PCP a 27 e 28. Chegamos a 24 e renovamos ou não o estado de emergência? O PSD apoia, dependendo das circunstâncias. Como é que temos o PCP a aprovar o OE e o PS a dizer que não pode haver congresso do PCP, uma vez que o PCP já disse que era uma condição essencial?

Mas acha que ainda pode haver uma crise?
Não, porque nessa altura [se houver crise] António Costa já saltou do barco. Isto é um barco. O que me está a perguntar é: “Se esse barco estiver a afundar-se, o PSD não o apoia?” Não, porque o capitão nessa altura já saltou para o mar, já disse que o barco não tem solução.

Mas não pode haver eleições porque o Presidente está impedido de as convocar.
Perguntem a António Costa com que responsabilidade é que ele disse o que disse. Se me pergunta se é um acto responsável, acho que é profundamente irresponsável! Tanto é que estamos na 25.ª hora com esta conversa. O país está ensandecido? Nunca ouvi nenhum jornalista perguntar a António Costa se não é completamente irresponsável [dizer que não conta com PSD] num quadro em que temos uma crise pandémica, económica e social e em que não está completamente garantido o apoio do PCP e BE. Não venham agora perguntar ao PSD!

Em que circunstâncias o PSD não apoiaria o estado de emergência?
Alteração das condições objectivas. Aí, o PSD não está a fazer política. Por muito que implique impopularidade ou perda de votos. Ao contrário de António Costa, o primeiro drive de Rui Rio não é popularidade e aceitação. Não tem problemas de auto-estima política. Em termos de pandemia, as medidas têm saído todas atrasadas, mas o PSD não aproveita a desgraça dos portugueses para seu benefício político. Mais: as medidas económicas andam a reboque do desnorte na Saúde. Olhem para o powerpoint de António Costa no último fim-de-semana e pensem quantas daquelas medidas é que não podiam ter sido planeadas antes.

Já criticou algumas vezes o Presidente da República – a última vez foi a propósito da nomeação de Mário Centeno para o Banco de Portugal. O que gostaria que mudasse num segundo mandato?
Critiquei várias vezes, como é obrigação de quem esteja com boa intenção, que é a de criticar positivamente. O que eu gostaria que fosse o segundo mandato? Aquilo que nunca foi nem os mandatos de Cavaco, nem o de Marcelo que não pretendessem ser nem governo, que parece que era a saudade de Cavaco, nem comentador, que parece que é a saudade de Marcelo. Que olhasse para aquelas outras matérias que governos de direita e de esquerda ao longo de 40 anos não conseguiram resolver. Podemos chamar-lhe problemas ou reformas estruturais. Gostava de ter um Presidente que tivesse a coragem de fazer a identificação desses bloqueios que ficaram e que chamasse a si não como obrigação de resultados, que seria idiota, mas como obrigação de compromisso e dizer: “A minha preocupação vai ser procurar que nestas matérias no final do meu mandato Portugal esteja mais à frente.” Gostava muito que Marcelo fosse capaz.

Sugerir correcção