Médio Oriente de Trump: “Israel primeiro”, “pressão máxima” sobre o Irão e ditadores favoritos

Imprevisibilidade, contradições e um apoio sem limites a Benjamin Netanyahu marcam a actuação do Presidente dos Estados Unidos numa região de onde o país já começara a desinvestir. Algumas promessas cumpridas depois, não há grandes vitórias a registar.

Foto
Apoiantes de Donald Trump em Israel LUSA/ABIR SULTAN

Se dependesse da adjectivação de Donald Trump, qualquer balanço da sua presidência sobre o Médio Oriente deveria centrar-se no “acordo do século” sobre o conflito israelo-palestiniano ou nos “Acordos de Abraão” – assinados entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, primeiro, e entre Israel e o Bahrein, logo depois –, que Trump diz marcarem “o amanhecer de um novo Médio Oriente”.