Lisbon Under Stars: Caem luzes e estrelas nas Ruínas do Carmo

O espectáculo imersivo Lisbon Under Stars volta a dar som e luz à história de Lisboa e de Portugal. De 20 de Agosto até 31 de Outubro, só folga ao domingo.

vhils,criancas,historia,fugas,patrimonio,lisboa,
Fotogaleria
Lisbon Under Stars (2019) Ocubo
vhils,criancas,historia,fugas,patrimonio,lisboa,
Fotogaleria
Lisbon Under Stars (2019) Ocubo
vhils,criancas,historia,fugas,patrimonio,lisboa,
Fotogaleria
Lisbon Under Stars (2019) Ocubo
vhils,criancas,historia,fugas,patrimonio,lisboa,
Fotogaleria
Lisbon Under Stars (2019) Ocubo
vhils,criancas,historia,fugas,patrimonio,lisboa,
Fotogaleria
Lisbon Under Stars (2019) Ocubo
Convento do Carmo
Fotogaleria
Lisbon Under Stars (2019) Ocubo

As Ruínas do Carmo, que se erguem no coração de Lisboa como memória viva do terramoto de 1755, voltam a ser a “tela tridimensional” de um espectáculo de luz e som que recria momentos da história da cidade e do país em projecções imersivas a 360º. O público fica no meio do recinto e tanto pode imaginar-se a tremer no terramoto como a partir do Tejo numa caravela. 

Esta vai ser a 3.ª edição do Lisbon Under Stars, evento criado pelo atelier OCubo, especializado em iniciativas similares por Portugal e pelo mundo. E com muito sucesso: segundo a organização, no primeiro ano somaram 30 mil espectadores, em 2019 já atingiram 60 mil (este ano haverá limitação do número de espectadores). Pelo meio conseguiram uma distinção internacional: Prémio de Melhor Evento Cultural 2018, pela Bea Word, que premeia anualmente os melhores eventos do mundo. 

Definindo-se como “uma experiência sensorial” com “o público no centro dos acontecimentos”, a narrativa do espectáculo promete uma “viagem imersiva ao longo de mais de 600 anos de história” com Lisboa como epicentro. Este ano sob as medidas de prevenção da covid-19, o espectáculo permite apreciar em toda a envolvência do recinto os “vários ângulos e perspectivas”. 

Foto
Ocubo

Com narração de Catarina Furtado, os momentos de luz e som são sublinhados com canções: participam Mariza, Teresa Salgueiro, Tocá Rufar, Paulo Marinho, Lisboa Cantat ou Orquestra de Câmara da GNR, além da música de Rão Kiao e haver lembranças de Amália, Madredeus, Zeca, Salvador Sobral ou poemas de Pessoa, e arte urbana, Vhils incluído​. A alinhavar tudo, momentos de bailado pela Companhia Clara Andermatt e Companhia Nacional do Bailado em que os bailarinos vão “interagir com as paredes das Ruínas”. 

Decorre de 20 de Agosto a 31 de de Outubro, de segunda a sábado das 21h às 22h. O bilhete tem actualmente um preço promocional: 10 euros. 

No espectáculo, com lotação reduzida, há tapete de desinfecção, desinfectante para as mãos, é obrigatória a máscara (haverá máscaras disponíveis) e há que respeitar o distanciamento social.

Mais informações e bilhetes no site oficial.