Torne-se perito Reportagem

Esposende: a deslizar no rio, a cavalgar na praia, a flutuar no mar

Um passeio numa barca recuperada dos caminhos de Santiago, uma aula de equitação ou de kitesurf são algumas das propostas que ganham vida em Esposende.

esposende,gastronomia,fugas,equitacao,turismo,mar,
Foto
Na Barca do Lago, no Cávado, conduzida por Belmiro Penetra Nelson Garrido

O Cávado, tal como todos os rios, tem os seus segredos. A Barca do Lago atraca em Esposende e os viajantes entram a bordo. A paisagem é idílica: a folhagem verde das árvores arrasta-se com a brisa e o movimento ondulante do rio. A barca irrompe por um pequeno oásis, abrindo caminho pela natureza. É Belmiro Penetra quem manobra o leme, seguindo pelo Cávado fora. 

A barca abranda para os viajantes mergulharem. Belmiro, o responsável, fica de olhos nos visitantes. O projecto de reconstruir a barca que fazia a travessia até Santiago de Compostela era já sonhado por Belmiro desde 2000. Em 2010, fora de caiaque até Santiago, juntando-se assim a José Costa, técnico de turismo da autarquia de Esposende. “Começou-se a falar muito da barca”, conta Belmiro, que não só procurou um conhecido livro sobre as barcas, no museu de Olaria de Barcelos, como viajou até Paris, a uma feira náutica, para analisar a construção das embarcações. ​

Aos poucos, Belmiro começou a apostar na construção de uma réplica da barca, recuperando deste modo o Caminho Português da Costa. “Uma réplica moderna, com motor, mas seguindo as mesmas linhas da original”, explicita o antigo nadador-salvador que, ao longo dos anos, foi amealhando dinheiro para a empresa Proriver, que agora dinamiza passeios pelo Cávado, e até mesmo festas de aniversário, despedidas de solteiro e aulas de yoga. A aventura com a barca arrancou em finais de 2015, inícios de 2016, e vai de vento em popa, mesmo que Belmiro tema os efeitos que a pandemia poderá vir a trazer.​

PÚBLICO -
Foto
A Barca do Lago Nelson Garrido

Tomados longos banhos no rio, estende-se uma toalha bordada de branco sobre a mesa da barca. Os copos altos começam a aparecer, e, com eles, os vinhos verdes, típicos da região, que dão um novo gosto ao paladar, reconfigurando a sensação de se caminhar sobre água. Surgem novos sabores, ligados à terra de Esposende: o queijo, os bolinhos de bacalhau, o polvo, as saladas. Mas o melhor fica sempre para a sobremesa: as catraias, com forma de embarcação como o próprio nome indica, marcadas pelo sabor a doce de chila, invenção do pasteleiro Pedro Carneiro, e as clarinhas, famosas de Fão, com gemas de ovo, chila e açúcar.

Apesar de uma bela amostra do que Esposende tem para oferecer, um passeio pelo Cávado é apenas uma das atracções. Logo pela manhã, há quem cavalgue na Portugal Equestrian, escola de equitação que disponibiliza programas para as férias em três modalidades possíveis: um programa standard, um programa intensivo ou um programa de fim-de-semana. O tempo só nos permitiu experimentar um passeio a cavalo pela arena (mas, sublinhe-se, a trote), porém valeu para deixar a vontade de prolongar o passeio pelo campo e pela praia em próxima oportunidade. Se em vez dos cavalos, preferir cavalgar as ondas, também é possível por aqui: uma boa sugestão são as aulas de kitesurf, dinamizadas pela escola Kook Proof.

PÚBLICO -
Foto
Na Portugal Equestrian há várias propostas de passeios a cavalo DR

O percurso começa na lota de pesca de Esposende, onde se armazenam os fatos, no meio de um cenário de redes de pesca, anzóis e escadas cobertas de musgo aquático. As gaivotas planam no ar ou repousam pelos arrabaldes para contemplar o mar revolto. Uma lancha leva os aventureiros até à praia onde, com apoio de um instrutor, podem desfrutar de uma aula. No areal, o vento ameniza o calor, e no ar vêem-se os kites a flutuar, os corpos assentes nas pranchas que deslizam pela espuma das ondas, numa dança que dura até ao anoitecer. 

PÚBLICO -
Foto
Aprender kitesurf com a KookProof DR

No final do dia, a sensação é de cansaço, mas ainda há tempo para contemplar o pôr-do-sol enquanto se experimenta um arroz de peixe no Restaurante Varandas do Cávado, no hotel Suave Mar, onde se pode pernoitar, garantindo-se segurança e conforto. De manhã, no exterior com vista para a piscina, o pequeno-almoço sai reforçado, para começarmos da melhor forma mais um dia em terra de pescadores e mar, de rios e monte. 

A Fugas viajou a convite da Associação do Turismo Porto e Norte
Texto editado por Luís J. Santos

Sugerir correcção