Um espaço que se abriu na BD portuguesa

O ambiente no país mudou com o aparecimento de editoras, colectivos e projectos individuais que vêm quebrando a hegemonia masculina no meio. Eis alguns deles.

mulheres,bd,artes,culturaipsilon,banda-desenhada,livros,
Foto
Autumn, um livro em colaboração entre Hetamoé (Ana Matilde Sousa) e Joana Escoval DR

Isabel Carvalho e Alice Geirinhas continuam a ser leitoras de banda desenhada, sobretudo (embora não só) de banda desenhada feita por mulheres. E reconhecem que o ambiente mudou, que o espaço se abriu com o aparecimento de editoras, pequenos grupos, associações, colectivos, projectos individuais. Nomeemos alguns: a Chili com Carne, que lançou as antologias QCDA #2000 (2014) e Nódoa Negra (2018), a primeira de autoras coordenada exclusivamente por autoras; a Sapata Press dirigida por Cecília Silveira, que neste momento se identifica como pessoa transgénero; o grupo do Clube do Inferno (entretanto dissolvido); os trabalhos de Joana Mosi; ou as colaborações de Marta Teives com os argumentistas Pedro Moura, André Diniz e André Oliveira.