A banda desenhada a deixar de ser BD

Publicado recentemente, o segundo número da revista Pentângulo, volta a reunir alunos e professores da Ar.Co. para afirmar a visibilidade e a dinâmica da banda desenhada como arte expandida. Num projecto conjunto entre o centro artístico de Lisboa e a editora independente Chili com Carne.

Fotogaleria
Um pormenor da obra de Francisco Sousa Lobo Francisco Sousa Lobo
Fotogaleria
Francisco Sousa Lobo Francisco Sousa Lobo
Fotogaleria
André Pereira André Pereira
Fotogaleria
DR

Experimentações, apropriações, abstracções. Histórias mudas, narrativas de teor autobiográfico, desenhos que podiam percorrer superfícies digitais. Na revista Pentângulo, a banda desenhada contorce-se, expanda-se, corre desabrida, pulsa livre de identidades fixas, avessa aos bons velhos tempos. O seu segundo número saiu há dias para as bancas e é um exemplo acabado do trabalho e da dedicação que um conjunto de editores e autores põe nesta arte. Ao todo são 20 trabalhos e três ensaios teóricos que sintetizam, sem prejuízo das singularidades presentes, todo um ponto de vista sobre o que é fazer, pensar e mostrar a banda desenhada.