Torne-se perito Entrevista

Poluição do Douro regressou a níveis de 1985 e até banhos já se podem tomar

Níveis de poluição já não eram tão baixos há 35 anos. Hidrobiólogo Adriano Bordalo e Sá e equipa do ICBAS estão a estudar os efeitos da epidemia no rio e já descobriram sinais do vírus SAR-CoV-2 no esgoto bruto: resta saber se está vivo. Resultados do Douro podem espelhar realidade nacional. E se a análise do esgoto ajudar a prever uma segunda vaga da doença?

Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
,Skate
Fotogaleria
Nelson Garrido

Os esgotos brutos dos municípios ribeirinhos do estuário do Douro, Porto, Gaia e Gondomar, apresentam sinais de informação genética do SAR-CoV-2. O hidrobiólogo Adriano Bordalo e Sá, estudioso do Douro há 35 anos, não sabe ainda se o vírus está ou não vivo. Mas acredita que o estudo dos esgotos “pode ajudar a prever segunda vaga de epidemia de covid-19”. No laboratório de Hidrobiologia do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (IBCAS), as últimas semanas têm sabor agridoce. Se a presença do vírus pode ser um alerta, a análise da qualidade da água trouxe “notícias fantásticas”: a contaminação fecal no Douro baixou e ir a banhos deixou “tendencialmente” de ser problema. Pelo menos para já. Esta é uma conversa sobre a maior bacia hidrográfica da Península Ibérica, os erros repetidos, o lado negro do turismo, a medicina centrada nos humanos e a “hipocrisia” da vacina como solução universal: “Não haverá nunca capacidade para produzir oito mil milhões de doses. As disponíveis serão prioritariamente para quem? Políticos? Pessoal de saúde? Ou os mais ricos?”