Crise da banca: cortar despesas é mais eficiente do que despedir

Estudo de três investigadoras da Coimbra Business School conclui que, em 94 bancos europeus, apenas 20 são eficientes. Os dois bancos nacionais analisados, o BCP e o BPI, ficaram no grupo dos ineficientes, mas a fazer progressos.

Foto
PP PAULO PIMENTA

Os despedimentos de funcionários bancários têm sido uma constante nos últimos anos e uma das primeiras medidas a ser equacionadas quando há registo de prejuízos ou simplesmente queda de lucros. Porém, esta estratégia pode ser contraproducente, porque, como concluem três investigadoras da Coimbra Business School a partir da análise a quase uma centena de bancos da zona euro, “o número de trabalhadores contribui para a eficiência bancária”.