1.º de Maio – assim se vê a força do PC

A autorização do Governo para que a CGTP pratique a sua coreografia do Dia do Trabalhador é tudo menos inocente. O Governo está a comprar hoje a paz social de que vai precisar amanhã.

Celebrações em Lisboa do 1.º de Maio
Fotogaleria
Celebrações em Lisboa do 1.º de Maio Miguel Manso
Fitas marcavam distância de cinco metros entre as filas
Fotogaleria
Fitas marcavam distância de cinco metros entre as filas Miguel Manso
Muitas pessoas levaram equipamentos de protecção individual
Fotogaleria
Muitas pessoas levaram equipamentos de protecção individual Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Participantes procuraram manter distância de dois metros
Fotogaleria
Participantes procuraram manter distância de dois metros Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotografias das celebrações em Aveiro
Fotogaleria
Fotografias das celebrações em Aveiro Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
 Isabel Camarinha, secretária-geral da CGTP, discursou por volta das 12h
Fotogaleria
Isabel Camarinha, secretária-geral da CGTP, discursou por volta das 12h Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Na Avenida dos Aliados, no Porto, celebrações também saíram à rua,Na Avenida dos Aliados, no Porto, celebrações também saíram à rua
Fotogaleria
Na Avenida dos Aliados, no Porto, celebrações também saíram à rua,Na Avenida dos Aliados, no Porto, celebrações também saíram à rua Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Aquilo que me interessa discutir nas comemorações autorizadas do 25 de Abril ou do 1.º de Maio não é a questão da saúde pública. Não creio que se venha a detectar um surto de covid na zona de São Bento porque 100 pessoas comemoraram juntas a revolução dos cravos, nem me parece provável que as modestas acções de rua da CGTP conduzam a um pico de sindicalistas nas enfermarias do Curry Cabral. O ponto central nada tem a ver com as consequências médicas destas excepções, mas com as excepções em si mesmas. Ou seja, com o facto de o Governo permitir no seu círculo mais próximo (partidos, deputados, centrais sindicais) aquilo que proíbe a todos os outros.