Nelson Garrido

Há cinco dias que o número de recuperados não passa dos 43. Porquê?

Eram 43 na quinta-feira e continuam a ser 43 nesta segunda-feira. Ministra da Saúde já admitiu que os registos podem “estar a ser enviesados por algum atraso temporal”.

Uma das informações que constam no boletim diário da Direcção-Geral da Saúde (DGS) sobre a covid-19 em Portugal é o número de recuperados. Desde quinta-feira até esta segunda-feira que são os mesmos 43. Porquê? A resposta é que muito provavelmente não são 43. Com a prioridade dada à detecção de novos casos, os dois testes negativos que se exigem para declarar oficialmente um doente como um caso recuperado não estarão a ser realizados. Em vez disso, teremos muita gente em casa que já está clinicamente recuperada. Entre mais de 6400 casos confirmados, os sobreviventes da covid-19 em Portugal serão muitos mais do que 43.

Neste último domingo, a ministra da Saúde comentou a estranha estabilidade no número de recuperados no boletim da DGS que se mantém em 43 há já vários dias e admitiu que os registos podem “estar a ser enviesados por algum atraso temporal”. Antes disso, na sexta-feira, a directora-geral da Saúde tinha afirmado que “ainda temos poucos recuperados porque leva muito tempo até à recuperação completa”. As duas podem ter razão. Mas o que importa sublinhar é que muito provavelmente o número oficial não corresponde à realidade. O PÚBLICO enviou algumas questões para o Ministério da Saúde e para a DGS sobre este tema, mas não obteve até ao momento qualquer resposta.

“Não sei qual é o problema real que justifica que o número se mantenha nos 43, mas acredito que serão múltiplas razões”, começa por dizer o pneumologista Filipe Froes, coordenador do gabinete de crise da Ordem dos Médicos para a covid-19. O especialista explica que há uma diferença entre cura clínica e cura microbiológica. “Ninguém vai desperdiçar duas amostras neste momento para o critério de cura”, afirma. Para a declaração de uma recuperação são necessários dois testes negativos num intervalo entre 24 a 48 horas.

Actualmente, o que deverá estar a acontecer é que o doente que cumpra os critérios de estabilidade clínica que estão previstos numa norma publicada pela DGS (n.º 004 de 2020) deve ir para casa. “Muitos deles nunca irão fazer os critérios de cura microbiológica, até pela logística que é necessária e pelos recursos que consomem.”

Resumindo, temos actualmente 43 casos recuperados no registo oficial da DGS mas, na realidade, teremos muito mais do que isso se tivermos em conta as curas clínicas. A estes doentes recuperados que fogem às estatísticas soma-se ainda a possibilidade de um eventual “atraso no registo”, admite Filipe Froes.

O pneumologista acredita que os números podem estar estagnados simplesmente por falta de atenção a este grupo. “A prioridade tem de estar no diagnóstico dos novos casos, na implementação das medidas de contenção dos novos casos e no tratamento dos casos graves.”

PÚBLICO -
Miguel Manso

Saber quantos casos temos recuperados e manter os critérios de cura microbiológica (que exigem a realização de dois testes) “não é o fundamental”, insiste o especialista. No entanto, esta é uma mensagem positiva que também é importante passar. Para muitas pessoas, saber que temos várias pessoas (mais do que 43) que sobreviveram à covid-19 entre os mais de 6400 casos confirmados pode ser muito relevante. São números bons e esses também fazem falta.

Dizer às pessoas que é possível escapar a isto é importante, mas “quando não temos esses dados é melhor nem dizer nada porque para passar cinco dias a dizer 43 talvez seja melhor nem dizer nada”, refere Filipe Froes. Assim, o especialista conclui que “felizmente há muitos outros doentes que tiveram resolução clínica e que não foi possível por diferentes contingências fazer testes de cura e esses são muito mais do que os 43”.

Esta segunda-feira surgiu a notícia de uma ideia que estará a ser estudada na Alemanha para evitar que as medidas de contenção do coronavírus afectem a economia mais do que o estritamente necessário. As autoridades estarão a ponderar a possibilidade de quem tiver tido covid-19 poderá, depois da realização de um teste que comprove a total recuperação, possa voltar à vida normal com um “certificado de imunidade”. Este pode ser um bom plano, comenta Filipe Froes. O regresso à vida normal poderia assim ser possível após um teste que confirmasse a presença de anticorpos (IgC) que confirmam que o organismo adquiriu imunidade.

Ainda sobre a estranha estabilidade do número de recuperados, Ricardo Mexia, presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública, também não hesita no diagnóstico: “Que nós temos um problema com o sistema de informação é indiscutível, um dado adquirido. O nosso sistema é muito pouco robusto.” Depois de atribuídas as responsabilidades aos fracos registos, sobra também a possibilidade de estarmos “mais focados em identificar os casos, colocá-los em isolamento e os respectivos contactos em quarentena”.

A Organização Mundial da Saúde refere que o tempo médio para a recuperação de casos com sintomas ligeiros da covid-19 é de aproximadamente duas semanas. Nos casos mais graves a recuperação pode prolongar-se entre as três e as seis semanas. Um estudo publicado na passada quarta-feira na revista The Lancet mostra que o novo coronavírus sobrevive nas vias respiratórias de alguns doentes por mais de cinco semanas, na amostra 191 doentes estudados o tempo máximo da presença de vírus nas amostras chegou a 37 dias.

No entanto, os doentes recuperados – os sobreviventes da covid-19 – podem significar mais do que uma motivação para os cidadãos preocupados. Há já vários relatos de experiências de investigadores que estão a usar o plasma de pessoas recuperadas (com anticorpos) para tratar doentes que estão internados.

Na sexta-feira foi publicado um outro estudo na revista JAMA com resultados ainda preliminares e que envolveu uma reduzida amostra de cinco doentes de covid-19 em estado considerado crítico. Estes doentes receberam transfusões de plasma convalescente (retirado do sangue de doentes recuperados) e terão manifestado sinais de melhoria do seu estado clínico. “Dos cinco doentes, três receberam alta hospitalar (duração do internamento de 53, 51 e 55 dias) e dois encontravam-se estáveis após 37 dias da transfusão. Apesar dos resultados positivos, os autores do estudo sublinham nas conclusões que “o tamanho limitado da amostra e o desenho do estudo impedem uma afirmação definitiva sobre a eficácia do tratamento, sendo necessário para isso uma avaliação em ensaios clínicos”.

Sugerir correcção