Torne-se perito Opinião

Educar em tempos de emergência

Doutor Tiago Brandão Rodrigues, urge tomar medidas que possam conter as perdas de aprendizagem. É certo que a primeira prioridade é conter o vírus, mas não podemos permitir que a sociedade se desfaça. A escola é um dos eixos fundamentais de uma democracia. As crianças e jovens são também grupo de risco.

A ameaça de saúde pública é demasiado grande o medo altera-nos as prioridades de forma radical. As escolas fecharam. As crianças e jovens foram “devolvidos” às famílias e provavelmente assim se manterão nos próximos meses.

As crises afetam primeiro os mais desfavorecidos. A educação não vai ser exceção, e esta crise vai ser longa e profunda. Deixará cicatrizes sociais incuráveis. Talvez consigamos antecipar algumas feridas e agir para proteger grupos de risco, neste caso as crianças e jovens que estão em casa e não têm como continuar as suas aprendizagens.

Quando os pais têm condições emocionais, físicas e económicas, escolaridade elevada e boas infraestruturas continuarão as aprendizagens. Os alunos perdem a importante parte da socialização, mas prosseguem os seus caminhos. Quando voltarem à escola vão estar preparados e demonstrarão diminutas perdas de aprendizagem.

E os outros? Como sempre, os mais desfavorecidos sairão penalizados. Estes são os alunos para quem a escola faz toda a diferença. São os alunos que encontram na escola uma tábua de salvação para o presente e uma forma de alimentar os sonhos para o futuro. São muitos, e não podem ser esquecidos nem ignorados durante este estado de emergência. Alguns indicadores [1] que nos ajudam a compreender as condições em que os alunos estão em casa:

1. No geral, a qualificação da mãe é bastante reduzida: 46% estudaram no máximo até ao 9.º ano (7% não obtiveram qualquer qualificação, 12% concluíram apenas o sexto ano e 27% o nono). Olhando para o pai, a situação é ainda mais alarmante: 56% com o 9.º ano ou menos (10%, 17% e 29%). Estas famílias têm poucas condições académicas para trabalhar com os seus filhos e para validar a qualidade das suas aprendizagens. É fundamental que a escola continue a ter uma presença.

PÚBLICO -
Aumentar

2. O rendimento global bruto dos agregados familiares é diminuto: 44% aufere menos de 14.000€ por ano, o que significa um rendimento de menos de 1000€ por mês para sustentar todas as despesas. Estas famílias não terão qualquer rede onde se apoiar caso o emprego lhes falte. É pouco provável que tenham poupanças e é muito provável que se vejam com os empregos suspensos ou com salários em atraso. Esta situação pode acontecer no imediato. É possível que muitos já não recebam os salários no mês de março. A miséria é rápida a instalar-se. Manter as cantinas das escolas abertas é uma medida louvável, mas insuficiente para manter estas famílias à tona da água.

3. A nível de infraestrutura doméstica, a situação parece ser um pouco mais favorável: 93% dos alunos declaram ter uma secretária para estudar e um computador com acesso à internet. No entanto, 34% dos agregados familiares tem um único computador em casa, o que pode ser uma limitação quando também os pais estão em teletrabalho. Poucos dispõem de software didático ou de livros para enriquecer a sua cultura, embora 88% tenham livros de apoio escolar. Esta infraestrutura pode ser favorável à aplicação de ensino à distância, contribuindo para manter algum contato com professores e colegas. É crucial garantir condições a todos os professores para adotar formas de manter o apoio presencial por canais digitais. Os 7% que não têm infraestrutura em casa devem ser autorizados a requisitar computadores da escola, ou a frequentar as salas de exceção que foram criadas para os filhos dos que não podem ficar em casa.

4. Quanto às condições emocionais dos alunos, temos de considerar que 30% declaram sentir-se assustados e miseráveis com alguma regularidade e mais de 70% dizem ter medo, isto numa situação de normalidade. Todos estes sentimentos se acentuam na fase que vivemos, logo seria também importante garantir apoio psicológico aos alunos e suas famílias. Temos ainda 7% de alunos que declaram não ter apoio das suas famílias a nível emocional ou escolar. Estes necessitam de auxílio imediato. Os diretores das escolas devem ser chamados a identificar os casos de maior risco. Meios de intervenção social têm de ser mobilizados para garantir a sanidade física e mental destas crianças e jovens.

Doutor Tiago Brandão Rodrigues, urge tomar medidas que possam conter as perdas de aprendizagem. É certo que a primeira prioridade é conter o vírus, mas não podemos permitir que a sociedade se desfaça. A escola é um dos eixos fundamentais de uma democracia. As crianças e jovens são também grupo de risco.

Algumas escolas já demonstraram capacidade para manter o ensino online, estimular a utilização de plataformas que foram disponibilizadas pelos editores, incentivar algum contato com pais e alunos. Este esforço deve ser reconhecido, aplaudido e alargado a todos. Os professores fazem parte do grupo dos indispensáveis. É necessário dar-lhes condições para continuar o seu trabalho.

Durante as próximas semanas, parte dos esforços políticos e sociais devem virar-se para as famílias com filhos em idade escolar. É uma prioridade nacional manter as aprendizagens e o bem-estar, garantindo que nos opomos à proliferação das desigualdades, especialmente em tempo de estado de emergência. Não sabemos quanto tempo vai durar. Cada semana que passa sem pensarmos na educação é tempo demais. As crianças e jovens não podem ser abandonados à sua sorte.

[1] Todos os indicadores foram recolhidos pela OCDE através do estudo PISA 2018, e tratados pela autora a partir das bases de dados originais. Os dados PISA são recolhidos junto dos alunos de 15 anos que frequentem o terceiro ciclo ou secundário.

A autora escreve segundo o novo acordo ortográfico

Sugerir correcção