CP repõe comboios na linha de Sintra nas horas de ponta

Haverá mais 18 comboios suburbanos em cada sentido na linha de Sintra nas horas de ponta Medida não é extensível a outras linhas por não se terem verificado enchentes.

Foto
Paulo Pimenta

Para evitar a concentração de passageiros nos comboios suburbanos da linha de Sintra – como se verificou na quarta-feira - a CP vai reforçar, a partir de amanhã, quinta-feira, o período da hora de ponta da manhã com mais 12 comboios entre Sintra e Lisboa e seis no período da tarde porque a procura é mais espaçada.

Apesar de só ter reduzido 22% dos comboios para responder a uma procura que se situa nos 70%, a empresa foi confrontada com um pico de afluência na hora de ponta com passageiros a viajarem de pé e apertados. Um fenómeno que só se verificou num reduzido número de comboios.

As alterações à oferta não se aplicam às linhas de Cascais e da Azambuja onde os comboios continuam com baixas taxas de ocupação.

Nos últimos dias a linha da Azambuja registou uma quebra na procura de 70%, a de Cascais de 75% e a do Sado (Barreiro – Praias Sado) de 79%.

Na linha de Sintra registou-se uma diminuição na ordem dos 70%, o que suporia que só viajam 30% dos passageiros habituais, mas a empresa estima que a taxa de fraude seja muito elevada, com pessoas a apanhar o comboio à borla por saberem que não há revisão de bilhetes. Daí que o número de passageiros seja superior ao contabilizado pelas validações.

No Porto, os suburbanos registam quebras de 75%.

No longo curso os comboios andam quase vazios, mas o sistema automático de venda de bilhetes junta os passageiros na mesma zona do comboio. Hoje, um Alfa Pendular entre o Porto e Lisboa tinha a maioria dos passageiros concentrados na mesma carruagem, estando as restantes cinco praticamente vazias.

O PÚBLICO perguntou à CP se iria dar orientações aos funcionários das bilheteiras ou alterar o sistema de venda online para redistribuir os clientes ao longo da composição, mas não obteve resposta em tempo útil.

Da Catalunha vem um exemplo de respeito pela distância de segurança entre os passageiros dos comboios. Os Rodalies (serviço ferroviário suburbano em torno de Barcelona) anunciou que manteria 100% da sua oferta, apesar da diminuição do número de passageiros, para garantir que se respeita o máximo de 33% de ocupação num espaço fechado.

Entretanto, na CP as tripulações dos comboios suprimidos já podem ficar em casa e não ter que cumprir o turno de serviço nas estações, em salas sociais, conforme noticiou o PÚBLICO nesta quarta-feira.