Coronavírus: ligação entre China e Portugal reduzida a um voo semanal

Medida foi tomada este mês pela Beijing Capital devido aos efeitos do novo coronavírus.

Turismo tem sentido os impactos negativos do novo coronavírus
Foto
Turismo tem sentido os impactos negativos do novo coronavírus REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Neste momento ainda há uma ligação directa entre Portugal e a China, mas foi reduzida dos dois voos semanais que existiam a apenas um. Pelo meio, nas primeiras semanas deste mês houve apenas alguns cancelamentos do segundo voo, num processo de transição. Assim, conforme explicou a empresa ao PÚBLICO, o voo que permanece activo é o que parte de Lisboa às segundas-feiras com destino a Pequim e paragem em Xian.

Depois de uma interrupção em Outubro de 2018 (e após um período relativamente curto de existência), as ligações entre China e Portugal foram retomadas no final de Agosto do ano passado pela Beijing Capital, do grupo chinês HNA, com o objectivo de assegurar três voos semanais.

O surto do novo coronavírus levou logo em Janeiro à interrupção das ligações à China por parte de muitas companhias, como a British Airways, Lufthansa e SAS, para enumerar apenas algumas. E se nessa altura o período de suspensão dos voos ia até ao final de Janeiro, para depois se reavaliar a situação, depressa os acontecimentos mudaram o calendário, aliado a um aumento o número de interrupções e a uma expansão geográfica da suspensão de voos.

No caso da British Airways, o período de suspensão dos voos para Xangai e para Pequim já foi alargado para 17 de Abril, e cancelou voos para Itália, Singapura e Coreia do Sul. O surto do novo coronavírus no Norte de Itália levou também a Easyjet a cancelar o que definiu de “alguns voos”, clarificando que serão “principalmente os que entram e saem de Itália”, sem implicação para Portugal.

O PÚBLICO enviou várias questões à TAP, mas a empresa afirmou apenas, de forma genérica, que “está a acompanhar a situação e os seus desenvolvimentos”.

O impacto no sector do turismo, incluindo aqui lazer e negócios, está a ser sentido de forma imediata nas principais companhias aéreas, mas o receio dos efeitos do vírus alastra-se a toda a economia mundial.

No caso concreto da aviação, as empresas estão já com planos de redução das despesas - tentando assim equilibrar o impacto da perda de receitas devido à redução da procura - e alertas de redução das estimativas de lucro.

A finlandesa Finnair, segundo a Reuters, alertou para uma “significativa” redução do lucro operacional este ano e anunciou uma redução de custos da ordem dos 40 a 50 milhões de euros.

Sugerir correcção