Isabel Camarinha eleita a nova secretária-geral da CGTP

Escolha foi confirmada nesta madrugada. Maior central sindical é liderada pela primeira vez em 50 anos por uma dirigente mulher.

Isabel Camarinha no primeiro dia do 14.º congresso da CGTP, no Seixal
Foto
Isabel Camarinha no primeiro dia do 14.º congresso da CGTP, no Seixal LUSA/MáIO CRUZ

A dirigente sindical Isabel Camarinha, um nome desconhecido da maior parte da opinião pública, mas com três décadas de experiência sindical, foi eleita na madrugada deste sábado a nova secretária-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP).

O seu nome foi a votos na primeira reunião do novo conselho nacional da central sindical, tendo obtido 115 votos a favor entre os elementos deste órgão da central. Houve 25 votos brancos e um nulo. Minoritária, a corrente socialista tinha proposto como secretário-geral Fernando Gomes, mas, sem surpresa, Isabel Camarinha, da corrente comunista, foi o nome indicado pela nova comissão executiva para ir a votos no conselho nacional.

Camarinha discursa ao final da tarde no encerramento do 14.º congresso da CGTP que decorre desde sexta-feira no Seixal. A sindicalista já fazia parte da comissão executiva desde 2016 — no segundo mandato de Arménio Carlos — e o seu nome foi sugerido para suceder ao anterior secretário-geral na reunião que este órgão teve na última segunda-feira, a última antes do congresso que começou ontem. Na mesma reunião do conselho nacional, que começou na noite de sexta-feira, foi ainda eleita a nova comissão executiva da CGTP, com 134 votos a favor e nove brancos.

Isabel Camarinha, até agora presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), considera uma honra ser a primeira mulher secretária-geral da CTGP, prestes a celebrar 50 anos. “A participação das mulheres tem vindo a aumentar no mundo do trabalho, portanto é natural que assumam funções diversas no movimento sindical”, destacou, citada pela Lusa, depois de conhecidos os resultados da votação.

Além de Arménio Carlos, que sai de secretário-geral aos 64 anos ao fim de dois mandatos, deixam de pertencer à comissão executiva mais nove pessoas, entre os quais estão sindicalistas das várias correntes da Inter e nomes históricos. Saem Deolinda Machado, Graciete Cruz, Carlos Trindade, João Torres, Fernando Jorge Fernandes, Augusto Praça e Carlos João Tomás.

Camarinha tem 59 anos e, como atingirá a idade legal da reforma num segundo mandato, tudo indica que será secretária-geral apenas durante quatro anos.

Arménio Carlos fez um discurso de abertura do congresso marcando reivindicações que estão na agenda da CGTP e previstas no documento estratégico que está em discussão no congresso, chamado Programa de Acção.

O anterior secretário-geral fez uma retrospectiva dos 50 anos da Intersindical, recordou os tempos da troika nos anos de Governo de Pedro Passos Coelho e a viragem para a negociação à esquerda no Parlamento. Criticou o executivo de António Costa pela “cedências” à direita e por não abdicar do excedente orçamental. E reforçou o posicionamento da CGTP na luta contra o empobrecimento dos jovens trabalhadores. Sem esquecer todos os que trabalham e “quem trabalhou”.

Sugerir correcção