Observatório tece duras críticas a plano do Governo contra incêndios

Entidade independente considera “muito preocupante” que só agora se coloque à discussão pública a primeira parte da estratégia de um “Plano de Gestão Integrada de Fogos Rurais de 2018”.

OTI critica atrasos do Governo nos planos de combate aos incêndios
Foto
OTI critica atrasos do Governo nos planos de combate aos incêndios Adriano Miranda

Observatório Técnico Independente (OTI) para análise, acompanhamento e avaliação dos incêndios florestais e rurais tece nesta quinta-feira várias e duras críticas ao Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais (PNGIFR) para o período 2020-2030 apresentado pelo Governo no início de Dezembro do ano passado.

Nas conclusões, o relatório do observatório criado pela Assembleia da República começa logo por clarificar que os documentos apresentados pelo executivo constituem a estratégia do PNGIFR, “mas não o plano em si, que só poderá ser analisado em rigor com os documentos que o concretizam, os Programas de Acção Nacional e Regionais, previstos para o terceiro trimestre de 2020”.

Considera também “muito preocupante” que só agora, no início de 2020, “se coloque à discussão pública a primeira parte, da estratégia, de um Plano de Gestão Integrada de Fogos Rurais [PNGIFR] de 2018”. 

“Cobrindo o anterior Plano de Defesa da Floresta Contra Incêndios [PNDFCI] o período 2006-2018 não é compreensível um hiato de dois anos entre os dois planos, numa matéria tão relevante como a dos Incêndios Florestais e Rurais”, salienta o relatório.

O OTI aprecia positivamente “o relevo dado na estratégia à importância da avaliação como condição para a melhoria dos sistemas”, mas diz não poder “deixar de criticar a falta de avaliação do PNDFCI e de diagnóstico aprofundado como base para a construção do novo PNGIFR, como também a não consideração dos previsíveis cenários de mudanças climáticas e sociodemográficas”.

Recomenda que seja dada especial atenção no PNGIFR “às questões associadas aos orçamentos e despesas associadas ao sistema, com vista a uma adequada relação custos-benefícios”, em especial “após o anúncio do significativo reforço de verbas para o sistema”.

O observatório pede ainda que seja clarificado o papel dos Sapadores Florestais e da nova força anunciada para o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas dentro do sistema. Diz ainda que “não pode deixar de considerar o pouco relevo dado nesta Estratégia à clarificação do papel dos bombeiros como estrutura fundamental de todo o sistema”.

Por fim, reitera “a importância fundamental da adequada consideração da necessidade de formação e qualificação de todos os agentes envolvidos” no Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais, considerando que a Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais deve, por isso, “desempenhar um papel fundamental na certificação e acreditação dessa formação”.

O Plano Nacional de Gestão Integrada dos Fogos Rurais prevê uma despesa total superior a seis mil milhões de euros, com um investimento expectável de 60% a ser direccionado para a prevenção e 40% para o combate, tendo como principal objectivo a redução para metade da área ardida.