O verdadeiro mistério da série The Outsider: porque é que não é melhor?

Os dois primeiros episódios da adaptação do livro homónimo de Stephen King estreiam-se esta segunda-feira na HBO Portugal. Com Jason Bateman, Ben Mendelsohn e Cynthia Erivo, a série tem muito para dar. Mas para Hank Stuever, podia dar ainda mais.

Foto
Ben Mendelsohn é um dos motivos para ver a série HBO

Cuidado com o tipo de crítica mais mortífero que existe, exactamente o que esta é – a apreciação enrolada, um “meh” a meio caminho para uma série de televisão relevante. É como nos sentimos se um filho nosso tem um Suficiente numa disciplina fácil.

A série em questão parece que devia ser melhor: The Outsider, da HBO Portugal, que se estreia esta segunda-feira em Portugal, é uma adaptação em dez episódios do romance de Stephen King editado em 2018 sobre um horrendo crime numa cidadezinha que dá uma guinada no seu caminho natural, ser um procedural estiloso sobre detectives, para se tornar numa história de terror afectada sobre um mal que é parte folclore, parte epidemia contagiosa.

Pondo de parte a marca Stephen King (que nem sempre é uma coisa boa no que toca a fazer boa televisão), The Outsider existe num espaço desconfortável entre géneros – não tanto por ser inovador na forma como conta histórias mas por ser uma tentativa de ter o melhor de dois mundos. Os fãs de histórias de crime arrepiantes (especialmente aqueles que anseiam por mais um mistério ruminativo tipo True Detective) vão revirar os olhos quando as pistas de The Outsider começarem a apontar para o sobrenatural. Ao mesmo tempo, os fãs de terror podem ficar irrequietos com as delongas que definem o tom da série.

Os seis episódios disponibilizados para esta crítica pareceram ter dois a mais, sem sinal de aceleração. A lentidão, porém, não é o problema; nem parece certo atribuir tudo ao tom. As personagens estão sempre a comentar que há qualquer coisa que não faz sentido. É como se estivessem a escrever esta crítica com as suas mãos.

Rapidamente (espero), aqui está um breve sumário da intriga: Jason Bateman, que conhecemos mais recentemente de Ozark (Netflix), que é produtor e executivo e realizador dos dois primeiros episódios de The Outsider, é o protagonista Terry Maitland, um marido e pai extremoso numa povoação da Geórgia chamada Cherokee City. Durante um jogo de basebol de infantis, Terry é preso de forma surpreendente pelo homicídio de Frankie Peterson, um menino de 11 anos cujo corpo mutilado foi encontrado dias antes na floresta nas imediações. 

PÚBLICO -
PÚBLICO -
Fotogaleria

O responsável pela polícia, Ralph Anderson (Ben Mendelsohn) está convencido da culpa de Terry (o mesmo se passa com o procurador do ministério público e com o resto da cidade) dado que as impressões digitais dele estão no local do crime e que ele aparece em vários vídeos de vigilância que mostram as movimentações de Terry antes e depois do crime – é aí que aparece ensanguentado e desalinhado. É mesmo ele.

É mesmo? O advogado de Terry (Bill Camp) contrata um detective privado (Jeremy Bobb) que encontra provas em vídeo que comprovam o alibi de Terry – que ele esteve fora da cidade numa conferência. Há um incidente na primeira ida de Terry a tribunal no segundo episódio (que a HBO também disponibiliza esta segunda-feira) que atira a história numa direcção completamente diferente – com alguns momentos de actuação da maior qualidade por Bateman e Mendelsohn, que ajudam a elevar o material de base e a manter o interesse do espectador.

Na verdade, os actores são a maior razão para continuar. Mare Winningham, que interpreta a mulher de Ralph, Jeannie, empresta uma forte presença silenciosa a The Outsider e a um dos seus temas recorrentes: o sofrimento profundo; Julianne Nicholson transmite o ultraje necessário da mulher de Terry, Glory, que insiste na inocência do marido.

Mas a verdadeira salvadora desta série, que chega ao terceiro episódio, é Cynthia Erivo como Holly Gibney, uma detective privada com um dom neuro-atípico para encontrar pistas em casos aparentemente irresolúveis. Sim, é uma detective com traços especiais – um bocadinho Mentes Criminosas demais para este tipo de série. Mas a investigação de Holly dá ritmo e mistério a The Outsider na altura em que a série mais precisa.

Por causa da sua inteligência superior, Holly foi estudada por cientistas quando era criança — que acabaram por declará-la um prodígio clínico. Por isso, quando Ralph lhe diz: “Não tenho tolerância para o inexplicável”, ela põe-no no seu lugar. “Bom, senhor, então não tem tolerância para mim.”

E assim está estabelecida a dinâmica essencial: à medida que o trabalho de Holly a leva cada vez mais para terrenos Fox Mulder, conseguirá ela convencer estes detectives convencionais tipo Scully que há um monstro entre eles?

Talvez o problema seja que The Outsider, desenvolvido e escrito por Richard Price (The Night Of) para televisão, leva essa premissa demasiado longe tentando garantir que passa no teste da HBO do que é televisão de prestígio. Mas em vez disso, de uma forma perversa, The Outsider parece a imitação HBO de uma série espertalhona da Netflix – sabem, aquelas séries que são só mais ou menos boas? Que não são más? Que podiam ser melhores?

Exclusivo PÚBLICO/The Washington Post

Sugerir correcção