Dois actores e um destino — a televisão de autor de Westworld e True Detective em Lisboa

Rodrigo Santoro e Stephen Dorff são um robô e um detective nas séries da HBO que vieram promover a Portugal. As novelas da Globo ou os filmes de Sofia Coppola não lhes são estranhos, mas agora os actores estão no centro da era dourada da TV.

Rodrigo Santoro
Fotogaleria
Rodrigo Santoro rui gaudêncio
Fotogaleria
Santoro como Hector em Westworld
Stephen Dorff
Fotogaleria
Stephen Dorff rui gaudêncio
Fotogaleria
Dorff ao lado de Mahershala Ali em True Detective

“Estamos no momento mais competitivo da história [da televisão]”, constata o actor brasileiro Rodrigo Santoro. E estar a fazer séries de autor como Westworld e True Detective “é a experiência suprema”, classifica o colega Stephen Dorff. Os dois actores estiveram em Lisboa para promover as suas séries: são um robô e um detective ao serviço da HBO, canal que é um dos motores da revolução da televisão de prestígio nas últimas décadas e que agora montou casa nova em Portugal.

Cada um à sua maneira são dois galãs dos anos 1990 num hotel de Belém. Um saído da fábrica das novelas da Globo para a Hollywood de O Amor Acontece ou 300: O Início de Um Império, o outro vindo dos papéis fugazes na TV para fazer filmes como O Poder de Um Jovem, Cecil B. Demented ou Somewhere. Ambos desembocaram nas séries da actual vaga de televisão de prestígio: séries com conceito, com argumentos e realização homogéneas, às vezes de duração limitada e elencos de luxo, e ambas de género — uma de ficção científica, Westworld, outra de crime, True Detective. A televisão de autor é a sua nova casa e explicam como ela é diferente por fora e por dentro.

“Sinto que é como um presente depois de muito batalhar”, diz Rodrigo Santoro em entrevista ao PÚBLICO sobre poder trabalhar na exigente série de Jonathan Nolan e Lisa Joy. Todo ele sobriedade e profissionalismo, vem falar de um título que já foi exibido em 2018, quando a “home of HBO” em Portugal era o canal TV Séries, mas queé o tipo de série a que vale a pena voltar para pegar detalhes”. Não numa lógica de repetição como Friends ou O Escritório, que continuam a encontrar as massas em novas gerações apaixonadas graças à sua presença em serviços de streaming muitos anos depois da sua exibição original, mas pelo nível de detalhe e complexidade narrativa que encerra e que convida à revisão.

PÚBLICO -
Foto
Westworld HBO

Experiência suprema

Numa suite ensolarada, Stephen Dorff arrasta na voz os cigarros e o jet lag das noites anteriores numa conversa entusiasmada sobre True Detective. Na véspera tinha assim classificado, sem rodeios, o seu papel na série de Nic Pizzolatto: “É o meu projecto favorito, de sempre.” A HBO Portugal, serviço de streaming com presença independente ou via Vodafone, estreia a terceira temporada, cavalgando a boa recepção que teve e os elogios à interpretação de Dorff, o detective parceiro do protagonista vencedor de dois Óscares Mahershala Ali (a última estatueta dourada recebeu-a precisamente no passado domigo). O actor, que tanto filmou com John Waters e Sofia Coppola como figurou em vídeos para os Aerosmith e Britney Spears, explica o que torna tão especial o trabalho em True Detective, a série cuja primeira temporada encantou crítica e espectadores.

“Como espectador, foi a melhor coisa que vi na televisão desde Os Sopranos — é a série com melhor aspecto, com melhor realização, mais bem escrita e com melhores actores que vi em muitos anos.” Depois de uma segunda temporada menos bem sucedida pelo meio, veio o convite para o actor participar pela primeira vez na série, na nova história da terceira temporada. E tudo foi diferente logo aí.

“Normalmente leio e conheço sempre o guião antes de conhecer o realizador ou o produtor. Mas com o secretismo e a pirataria de uma série destas”, explica, “recebi um telefonema e o Nic queria conhecer-me. Deu-me duas cenas, li-as por alto e já estava. Senti-me muito confortável com esta personagem, nem precisei de ler o resto. E quando me mandou os guiões fiquei arrebatado.”

Não sendo a sua estreia em televisão, classifica a oportunidade de participar nesta série como a “experiência suprema”. “É das boas. E como também não gosto de ecrãs verdes e efeitos visuais, prefiro um True Detective do que estar numa Guerra dos Tronos a interpretar um de 50 papéis.” Stephen Dorff está a falar da jóia da coroa da HBO, uma das poucas que vão ser transmitidas em simultâneo com os EUA tanto na HBO Portugal quanto no canal SyFy, e que é uma fórmula particular de televisão de prestígio — a de massas.

Há 15 anos, houve outra, num canal generalista e não num canal por subscrição como a HBO e outros que têm sido os campos férteis da televisão de autor. “Às vezes há fenómenos que não sabemos explicar — participei no Lost (Perdidos), uma série que era uma febre no mundo inteiro”, recorda Rodrigo Santoro sobre o seu curto papel na série de Damon Lindelof e Carlton Cuse. “Eu não sabia. Gostei muito da ideia de trabalhar no Havai, porque gosto de surfar”, admite sorridente. “Vi uma maratona da série num fim-de-semana e realmente prendia, tinha todos os elementos. Ou como Breaking Bad, de que toda a gente me falava e realmente…” A televisão de prestígio, ou “premium” como diz o actor brasileiro com algumas reservas, “tem que ver com o diferencial”.

Bola pronta para o golo

Estar em Westworld, uma história sobre um parque de diversões povoado por andróides e que reflecte sobre consciência, livre arbítrio e prazeres violentos, é como se estivesse a jogar na selecção e soubesse que, “quando a bola chegar, vai chegar redonda”. Tenta explicar, assim, o prazer que sente ao construir a sua personagem, Hector, um pistoleiro que passa de robô a ser autónomo, com subtileza: “Quando o personagem começa a humanizar-se, é um banquete. Cada emoção, cada pensamento em que ele começa a ter consciência e a perceber as coisas é como uma criança a aprender, mas sendo um adulto, um homem. É muito rico.” É um papel que, garante, vem dentro de “um padrão de qualidade” ditado pelo “calibre de talento” que dá suporte a uma série como Westworld. “Recebemos os textos com pouco tempo antes de filmar, mas quando ele chega já foi tão trabalhado que a sensação é: ‘Vale a pena esperar.’”

Stephen Dorff abre os braços ao lado do corpo para desenhar a pilha imaginária de guiões para os oito episódios de True Detective. “Foi uma [série] filha da mãe. Os guiões eram gigantes, uma pilha deles”, ri-se calorosamente com cafés, galões e sumos de laranja ao lado depois de uma noite demasiado curta. “O que o Nic faz é...” Pausa para o inexplicável. Há um crime nos anos 1980 que envolve crianças desaparecidas e, à medida que escavamos, o Nic vai provocando o público e apresentando [suspeitos] à vez ao longo de três décadas. Não é tanto sobre o caso, mas sobre as pessoas envolvidas, personagens cheias de profundidade que estão a evoluir através deste crime. É como um acontecimento, há um crescendo e está sempre a surpreender-nos com curvas; no final acho que o público vai ficar muito chocado e agradado com a resolução”, tenta resumir.

O escritor Nic Pizzolatto é uma das estrelas nascentes da nova era de ouro da televisão. “Veio do nada, um jovem que tinha escrito um par de romances”, lembra Dorff, e “construiu um franchise, cada temporada com um elenco diferente”, que não o isentou de ser “muito pressionado para ser rápido a fazer a segunda temporada por causa do sucesso da primeira. Neste caso, ele teve tempo”.

PÚBLICO -
Foto
True Detective HBO

Jonathan Nolan, de Westworld, trabalhou noutra televisão antes disto — na CBS generalista, um procedural criminal. Mas depois da escrita de dois filmes Batman e de Interstellar, com o irmão Christopher Nolan, conseguiu ter no parque distópico de Westworld Anthony Hopkins ou Ed Harris; Nic Pizzolatto vendeu a primeira temporada de True Detective com Matthew McConaughey e Woody Harrelson à cabeça. 

“Vivemos numa época de muito conteúdo, [o que] por um lado [é] muito bom — os meus amigos estão todos a trabalhar, todo o mundo empregado”, sorri Santoro. “Mas ao mesmo tempo, como nos distinguimos?” Além de uma boa história, de liberdade criativa e narrativa, as séries da televisão de autor precisam do ingrediente mistério, da alquimia de cada uma delas. E da temperatura certa para a ebulição. “O morno”, arrasta Rodrigo Santoro, “é bom para tomar um chazinho. Não queima a boca, mas… não, não. Eu descanso ao domingo, o resto da semana é para o desafio. A vida é um relâmpago.”

Sugerir correcção