Esta sexta-feira a Lua vai ficar na penumbra

Mesmo tendo um efeito ténue na Lua, um eclipse penumbral é sempre uma boa oportunidade para observar o nosso satélite natural.

Lua vista do Cairo, no Egipto
Foto
Lua vista do Cairo, no Egipto Amr Abdallah Dalsh/Reuters

Portugal vai poder assistir a um eclipse penumbral da Lua esta sexta-feira. Já depois da 19h (hora de Lisboa), será possível observar o ponto máximo deste ténue fenómeno, se as condições meteorológicas assim o permitirem.

Um eclipse penumbral da Lua acontece quando o nosso satélite natural entra na região de penumbra da Terra, o que resulta numa variação do brilho da Lua. “Trata-se de um fenómeno astronómico em que a variação do brilho da Lua dificilmente é notada e nem sempre é fácil de perceber”, refere-se no site do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL).

Mas o que vai mesmo acontecer esta sexta-feira? Ao anoitecer, a Lua entrará na penumbra (região onde apenas uma porção da luz da Lua é obscurecida). Contudo, o início deste fenómeno não será visível em Portugal, porque a Lua nessa altura abaixo do horizonte. “Passados 15 minutos, será possível observar o seu nascimento com o eclipse penumbral a decorrer”, avisa o OAL.

Por volta das 19h10 (hora de Lisboa), estaremos a meio do eclipse e será aqui o seu máximo. Já pelas 19h21 dar-se-á o instante de Lua Cheia. A Lua ficará na penumbra até às 21h14.

PÚBLICO -
Foto
Eclipse penumbral da Lua de 10 de Janeiro de 2020 Observatório Astronómico de Lisboa

Este fenómeno será visível na Austrália, Ásia, Europa, África, extremo Leste da América do Sul, Norte da América do Norte, oceano Atlântico, oceano Índico e oceano Pacífico.

O Núcleo Interactivo de Astronomia (Nuclio) organizou uma sessão de observação deste eclipse no Centro de Interpretação Ambiental da Pedra do Sal (em São Pedro do Estoril) entre as 18h30 e as 21h30. Se as condições meteorológicas o permitirem, observar-se-á o céu nocturno com telescópio.

“O eclipse penumbral tem um efeito ténue na Lua, no entanto, é uma óptima oportunidade para observar o nosso satélite natural”, refere-se na página de Facebook do evento do  Nuclio.

Também o Centro Ciência Viva de Constância manter-se-á aberto até às 20h. Através de telescópios, também se poderá observar Vénus ou outros corpos celestes. Afinal, como indica no seu site este “é dos fenómenos menos interessantes, dado que a sua observação exige muita atenção para se perceber a ligeira atenuação da luz solar reflectida pelo solo lunar”.