Lisboa
, Nuno Ferreira Santos

O turismo e as cidades, entre a salvação e a vida selvagem

O turismo tomou definitivamente Portugal na década que agora termina. Conhecemos a economia de partilha e fomos “invadidos” por alojamentos locais. As cidades requalificaram-se e ganharam glamour. Mas os preços dispararam e nunca se ouviu tanto a palavra “despejo”. Porto e Lisboa transformaram-se. E o que significa isso para quem habita lá?

A década cumpria os seus primeiros cinco anos e o turismo, já palavra forte no dicionário das cidades, ganhava dimensão. Em 2015, Portugal ultrapassava a barreira dos 10 milhões de hóspedes estrangeiros. Lisboa e Porto confirmavam-se como destinos turísticos de cobiça internacional. Mas para isso, e por causa disso, enfrentavam uma revolução. Com ganhos e danos.