Torne-se perito

Quantos jovens cabem numa manifestação pelo clima?

Madrid deve receber esta sexta-feira uma das maiores manifestações pelo clima que já se viu numa COP. É esperada a participação de Greta Thunberg que viaja de Portugal para a capital espanhola, bem como cerca de 200 a 300 activistas ambientais portugueses.

Portugal vai estar representado na marcha que espera cerca de cem mil pessoas
Foto
Portugal vai estar representado na marcha que espera cerca de cem mil pessoas Nuno Ferreira Santos

O momento alto desta sexta-feira da 25ª Conferência das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climática não vai estar nas instalações da Feira de Madrid, onde decorre a cimeira, mas nas ruas do centro da capital espanhola. É aí, a partir das 17h de Lisboa, que vai acontecer a Marcha pelo Clima, para a qual são esperados milhares de jovens.

A organização disse contar com mais de cem mil participantes e o Manifesto 6D, que apresenta as razões para o protesto, afirma que quer transformar Madrid “no megafone das pessoas que já estão a sofrer as consequências da crise climática e daquelas que as vão sofrer nas próximas décadas”. De Portugal são esperadas entre 200 a 300 pessoas.

Incluindo, por coincidência, a sueca Greta Thunberg, que permaneceu em Lisboa desde terça-feira, após terminar a sua travessia do Atlântico num veleiro. Ninguém contesta que a mobilização da juventude está intrinsecamente ligada à adolescente de 16 anos que há cerca de um ano iniciou sozinha uma greve às aulas pelo clima. Num vídeo sobre a manifestação – em que os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e brasileiro, Jair Bolsonaro, aparecem como o rosto de “algumas pessoas que agem como se nada estivesse a acontecer” –, colocado na página da Cimeira Social para o Clima (um encontro paralelo à COP25 que decorre entre esta sexta-feira e o dia 13), é Greta Thunberg que surge nas imagens enquanto se ouve: “Às vezes, uma pequena acção, repetida por muita gente, pode gerar uma força que move montanhas.”

O movimento iniciado pela jovem conseguiu, entre outras coisas, mudar o dia habitual da manifestação que costuma acompanhar as COP. Francisco Ferreira, da Zero - Associação Sistema Terrestre Sustentável, que tem acompanhado grande parte destas cimeiras e que conta estar na manifestação de hoje, diz que a escolha de uma sexta-feira para o dia do protesto é “inovadora”. “Estas manifestações costumam acontecer ao fim-de-semana, em geral ao sábado. Esta mudança mostra alguma sensibilidade para o uso da sexta-feira como um símbolo, que tem que ver directamente com o movimento Fridays for the Future”, diz.

Este movimento – que congrega os jovens que fazem greve às aulas e se manifestam às sextas-feiras pelo clima – é um dos que convocam o protesto, que Francisco Ferreira diz esperar ser um dos maiores dos últimos anos. Ao nível da participação portuguesa não restam dúvidas. O ambientalista diz que costumam estar “pouquíssimos” portugueses nestes protestos, mas desta vez são esperadas entre 200 a 300 pessoas, de associações como a Zero, a Climáximo ou a Greve Climática Estudantil, a partidos políticos, como os Verdes, o PAN -Pessoas Animais Natureza ou o Bloco de Esquerda, que leva Catarina Martins e alguns deputados a Madrid.

O protesto começa na zona de Atocha e segue para os Nuevos Ministérios, onde se esperam algumas intervenções, eventualmente da própria Greta Thunberg. Falta saber se, na COP25, os representantes dos diferentes países que estão desde segunda-feira a tentar negociar questões como a regularização global do mercado do carbono ou um novo mecanismo financeiro para perdas e danos (os decisores políticos só entram em acção nos últimos dias da cimeira) vão ouvir os protestos ou o apelo do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que no dia de abertura da COP25, afirmou: “Milhões em todo o mundo – especialmente jovens – estão a pedir aos líderes de todos sectores para fazerem mais, muito mais, face à emergência climática que enfrentamos. Eles sabem que precisamos de entrar no caminho certo hoje, não amanhã. (…) Vamos ouvir as multidões que estão a exigir mudança.”

Os jovens prometem fazer por isso. Antes da manifestação, durante a manhã desta sexta-feira, está anunciado um “protesto sentado” na própria COP25. O filósofo e especialista em ambiente Viriato Soromenho Marques dizia há dias ao PÚBLICO: “Por enquanto, os jovens revoltam-se pacificamente. Não sei se daqui a dez anos será assim.”