Esta sexta-feira, no Barreiro, a noite será dos Beatles

“Beatles no Barreiro” é o título da sessão, co-organizada pela Ephemera de Pacheco Pereira e pela Associação Desenvolvimento Artes e Ofícios, que a acolhe. A partir das 21h30, duas exposições, a celebração de Abbey Road, Fast Eddie Nelson a musicar os Fab Four, Luís Filipe Barros a tomar conta da pista de dança.

Os Beatles no auge da Beatlemania, quando <i>Abbey Road</i> estava ainda a uma série de revoluções musicais e capilares de distância
Foto
Os Beatles no auge da Beatlemania, quando Abbey Road estava ainda a uma série de revoluções musicais e capilares de distância DR

São os 50 anos de Abbey Road, é a evoção da uma certa Lisboa e de uma certa juventude marcada pelo ritmo dos Fab Four e é a memória, alargada bem para além dessas fronteiras, que a Associação Cultural Ephemera preserva e cataloga com método. “Beatles no Barreiro” é o título da sessão que terá lugar na noite desta sexta-feira, a partir das 21h30, com entrada livre, na Associação Desenvolvimento Artes e Ofícios (ADAO), no Barreiro. Duas exposições, a apresentação do livro Caro Jó, de Luís Pinheiro de Almeida, concerto de Fast Eddie Nelson, DJ sets dedicados aos Beatles pelo radialista Luís Filipe Barros e por gira-disquistas barreirenses.

Aproveitando as cinco décadas da edição de Abbey Road, o histórico álbum dos Beatles, bem como a edição este ano de Caro , livro em que o jornalista Luís Pinheiro de Almeida compilou e contextualizou as cartas que enviou na juventude “beatlesca”, em meados dos anos 1960, da Lisboa a que chegara para os amigos que deixara em Coimbra, a sessão é uma organização conjunta da Associação Cultural Ephemera, criada por José Pacheco Pereira, e da ADAO, localizada num antigo quartel dos Bombeiros Voluntários do Sul e Sueste. Contempla duas exposições. Uma, de fotografia, é obra do artista e fotógrafo barreirense Rui Serrano e dedicada ao trabalho que a Ephemera desenvolveu na cidade ao longo de 2019 – “Ephemera Eterna”, chamou-lhe Serrano. A outra exposição patente centra-se nos Beatles e agrupa itens icónicos como guitarras e as famosas casacas Sgt. Pepper’s e algumas curiosidades, por vezes ligadas à história portuguesa dos Fab Four – Luís Pinheiro de Almeida contou-a no seu livro Os Beatles em Portugal — como um tijolo da hoje abandonada Estalagem do Gado Bravo, em Vila Franca de Xira, que em 1965 foi ponto de paragem de Paul McCartney e da sua namorada de então, Jane Asher, a caminho de uns dias de férias em Albufeira.

A exposição contempla ainda a peculiar colecção completa dos EPs portugueses dos Beatles, cujas capas, produzidas localmente, se distinguem naturalmente da discografia oficial da banda, e permite testemunhar a sua influência na criatividade nacional da época, através dos EPs dos grupos portugueses que, nos anos 1960, gravaram temas dos quatro de Liverpool.

Em vaivém entre o passado e o presente, a sessão prosseguirá, depois da apresentação de Caro Jó por José Pacheco Pereira e de uma dissertação sobre Abbey Road pelo historiador Filipe Barroso e pelo músico e produtor Francis Mann (ex guitarrista dos Xutos & Pontapés, produtor dos Diva), com um concerto de Fast Eddie Nelson, incendiário bluesman e punk-rocker barreirense, totalmente dedicado à obra dos Beatles.

Antes de os DJs da noite entrarem em cena, haverá tempo para um segundo momento musical, com Francis Mann e Duarte Vilardebó Loureiro, membro de Pedro e Os Apóstolos, a protagonizarem um concerto acústico. Suspeita-se, sem grande hipótese de erro, que os Beatles marquem nele presença. Afinal, esta sexta-feira a noite no Barreiro será deles.