Miguel Feraso Cabral

Alunos portugueses pioram a ciências, mas mantêm-se acima da média da OCDE

Por comparação a 2015, houve descidas nas médias de leitura e ciências, enquanto o resultado de matemática se manteve igual. Há também mais estudantes portugueses com desempenhos de topo. É o que revela a última edição desta avaliação internacional que volta a ser dominada por países asiáticos e que mostra uma Finlândia em quebra acentuada. Em 18 anos de PISA, Portugal foi o único país da OCDE que manteve uma evolução positiva.

De novo acima da média da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), mas com descidas na literacia em leitura e ciências por comparação ao desempenho alcançado em 2015. A média a matemática manteve-se igual. Estas são, em síntese, as grandes tendências dos resultados que os alunos portugueses de 15 anos obtiveram na última edição do PISA (Programme for International Student Assessment), realizada em 2018, cujo balanço é divulgado publicamente nesta terça-feira.