Alisa Anton/Unsplash
Foto
Alisa Anton/Unsplash

Phenix: esta aplicação quer evitar o desperdício, da comida às flores

Perto de um terço da produção alimentar mundial é desperdiçada, mas quais são os valores do desperdício não-alimentar? A Phenix — aplicação que quer acabar com todo o tipo de desperdício — chegou a Portugal em 2016, mas agora lançou uma aplicação e já está disponível em Lisboa e no Porto.

Numa altura em que os números de desperdício alimentar são “assustadores"  em Portugal são desperdiçados “cerca de um milhão de toneladas de alimentos por ano” , o projecto Phenix, que começou por combater o desperdício alimentar em prol de quem mais precisa através de doações feitas por hipermercados, lançou uma aplicação. Surgiu em França em 2014 e chegou a Portugal em 2016, mas só em Outubro último decidiu fazer a actualização para a app, por considerar que “era necessário desenvolver uma solução complementar, facilmente disponível para qualquer cidadão dar o seu contributo contra o desperdício”, disse ao P3 Eurico Estêvão, da equipa de comunicação da Phenix em Portugal.

Os valores de desperdícios não-alimentares não são conhecidos e isso “torna o cenário ainda mais grave”. Esta é uma aplicação gratuita que se diferencia por aproveitar não só os excedentes de restaurantes, pastelarias, mercearias e cafés, mas também de lojas, como floristas. Para a utilizar, só tens de descarregar a aplicação — disponível para Android e IOS — e accionar a tua localização para aparecem automaticamente os locais aderentes perto de ti. Caso não actives a localização, vão aparecer todos os estabelecimentos no país que já aderiram. “Depois existem várias funcionalidades, podes colocar uma loja de que gostes muito nos favoritos e sempre que eles colocarem disponível algum cabaz vais receber uma notificação a avisar”, explicou Eurico.

PÚBLICO - A equipa da Phenix nas doações às instituições
A equipa da Phenix nas doações às instituições DR
PÚBLICO - A equipa da Phenix nas doações às instituições
A equipa da Phenix nas doações às instituições DR
Fotogaleria
DR

O horário de levantamento e os preços são definidos pelos estabelecimentos, mas a empresa aconselha um desconto de até 50%. Esta app, ao contrário das outras que aplicam “descontos enormes”, não funciona assim por considerar que “esta é a forma mais justa para o comerciante e para o utilizador porque o comerciante consegue recuperar um pouco mais do que o preço de custo do produto e os utilizadores conseguem um bom negócio”.

Todos os cabazes estão acompanhados de uma “breve descrição”, também com o objectivo de evitar que “os consumidores acabem por desperdiçar o que estão a comprar”. Também há um “sistema de filtros” para que os utilizadores possam “seleccionar facilmente os produtos que se adequam a diferentes regimes alimentares, com um sistema que contempla diversas opções” (sem glúten ou vegetariano, por exemplo).

PÚBLICO -
Foto

Outra das funcionalidades da aplicação é que de cada vez que os utilizadores fazem uma compra acumulam 5% do valor sob forma de pontos que podem utilizar nas compras seguintes — e isto acontece sempre que comprarem, “para incentivar ao máximo o uso da app” — e ainda é possível “saber ao pormenor quanto dinheiro já se poupou e quantos quilogramas de dióxido de carbono (CO2) já se evitou que fossem libertados em vão para a atmosfera”, acrescentou Eurico Estêvão.

Por enquanto, a Phenix está disponível em Lisboa e Cascais com mais de 25 lojas aderentes e no Porto com dez, mas a organização diz querer “aumentar a presença em Lisboa e no Porto e abranger outras cidades de Norte a Sul do país”. Em Portugal são mais de 6000 os utilizadores, mas espera-se que este número atinja os 8 a 10 mil até ao fim de 2019. No total, a app conta com cerca de 300 mil utilizadores nos países onde está presente (França, Espanha, Bélgica e Suíça, além de Portugal).

Desde que foi fundada, a Phenix já “salvou” mais de 60 milhões de refeições e mais de 150 toneladas de produtos não-alimentares, evitando a emissão de 135 mil toneladas de Co2 para a atmosfera.

Em 2018 já tinha sido lançada a FairMeals — a pensar no combate dos desperdícios em restaurantes e padarias — e em Outubro último chegou a Portugal uma aplicação que combate o desperdício alimentar – Too Good To Go –, que agora se alia à Refood para que as pessoas possam contribuir monetariamente através da aplicação.