Falha de “probabilidade ínfima” explica apagão na Nos

O serviço foi reposto depois de uma falha de cobertura móvel ter impedido os clientes de usar serviços de voz e dados no continente e nas ilhas durante quatro horas.

Foto
Patrícia Martins

A rede da Nos registou falhas na cobertura a nível nacional durante a manhã desta terça-feira, algo que afectou as comunicações móveis, fazendo com que vários clientes em todo o país ficassem sem rede e impedidos de fazer chamadas, aceder aos dados móveis ou receber e enviar mensagens.

Os problemas iniciaram-se a partir das 10h55, segundo precisou a empresa no seu site, onde deu conta da “indisponibilidade temporária dos serviços de telefonia móvel/internet móvel”, com “impacto a nível nacional”, e da posterior resolução deste problema - “serviços totalmente operacionais às 15h15”.

Ao final da tarde, a operadora liderada por Miguel Almeida justificou os motivos do apagão: “a situação de instabilidade” registada na rede móvel deveu-se “a uma anomalia simultânea de dois sistemas de processamento de tráfego”.

Segundo uma nota enviada ao PÚBLICO sobre a “crise” motivada pela “falha de rede”, “esta situação tem uma probabilidade absolutamente ínfima [de ocorrer], dados os múltiplos níveis de redundância: lógica, física e geográfica”.

A empresa explicou que “activou de imediato os procedimentos de gestão de crise, juntamente com os parceiros tecnológicos” e que essa actuação “permitiu a rápida resolução da situação e a reposição gradual dos serviços”.

Por volta da hora de almoço, a operadora deu os primeiros esclarecimentos sobre a situação que estava a colocar os seus clientes em dificuldades, reconhecendo a gravidade do ocorrido. Mais tarde, fonte da empresa assegurou ao PÚBLICO que, pelas 15h, o serviço já estava “integralmente reposto”.

“A Nos registou, ao final da manhã de hoje, dia 22 de Outubro, uma falha na sua rede móvel, com impacto em clientes em algumas zonas do país, nos serviços de voz e dados”, avançou a empresa de telecomunicações, numa primeira nota enviada ao PÚBLICO. “Os serviços já se encontram totalmente repostos”, acrescentava a mesma nota.

As causas deste “grave incidente” não são ainda conhecidas, mas “serão objecto de uma averiguação, cujos resultados serão dados a conhecer”, acrescentou a Nos que também lamentou o transtorno causado aos seus clientes. 

O incidente foi comunicado à Anacom através do centro de reporte de notificações​, confirmou o PÚBLICO junto da autoridade reguladora das comunicações.

De acordo com o site Down Detector, que regista a actividade de “qualquer serviço que os utilizadores considerem de vital importância à sua rotina, incluindo (mas não se limitando a) provedores de internet, provedores de rede móvel, linhas aéreas, transporte público e serviços online”, os utilizadores portugueses reportaram várias falhas no sistema Nos desde as 11h, com mais de 1000 queixas vindas sobretudo do Porto, Aveiro, Lisboa, Vale de Cambra ou Évora — mas também em São Miguel, nos Açores, relata um utilizador no Twitter.

Segundo o mesmo site, a Vodafone e a Meo também registaram algumas falhas ao longo da manhã, embora o número de queixas seja menor: cerca de uma centena de queixas com a Vodafone e três dezenas com a Meo. 

Ao que o PÚBLICO conseguiu apurar, vários outros serviços sofreram os efeitos desta falha: um exemplo é o banco Millennium, que registou dificuldades em algumas operações.

De acordo com o site da empresa de telecomunicações, a Nos tem mais de 4 milhões de clientes móveis e 1,6 milhões de clientes com plano de telefone fixo.