Protestos continuam na Catalunha. Presidente do governo catalão apela à calma e não-violência

Pelo menos dez carros foram apanhados pelo fogo em Barcelona. Um manifestante foi atropelado por carrinha dos Mossos d’Esquadra em Tarragona.

Os protestos em Barcelona
Fotogaleria
Os protestos em Barcelona Reuters/JON NAZCA
Fotogaleria
Reuters/RAFAEL MARCHANTE
Fotogaleria
Reuters/ALBERT GEA
Fotogaleria
Reuters/ALBERT GEA
Fotogaleria
Reuters/ALBERT GEA
Catalunha
Fotogaleria
EPA/TONI ALBIR
Barcelona
Fotogaleria
Reuters/ALBERT GEA

Depois de as “marchas pela liberdade” terem começado pacíficas esta quarta-feira, ao início da noite começaram a registar-se confrontos entre a polícia e os manifestantes no terceiro dia de protestos na Catalunha contra as condenações de 12 dirigentes independentistas pelo Supremo Tribunal de Espanha.

A partir das 19h (hora local), milhares de pessoas reuniram-se nas ruas de Barcelona. Segundo o diário El País, um grupo de manifestantes entrou em confrontos com os Mossos d’Esquadra, a polícia catalã, em frente à sede do Departamento do Interior da Generalitat. Os manifestantes pediam a demissão do conselheiro do Interior da Generalitat, Miquel Buch, depois de o conselheiro ter elogiado durante a tarde a acção dos Mossos d’Esquadra.

A tensão em Barcelona foi subindo de tom (mais uma vez)​ neste terceiro dia de protestos. De acordo com o El País, pelas 21h (20h em Lisboa), começaram a chegar reforços da Polícia Nacional espanhola a Barcelona para ajudar os Mossos d’Esquadra. Além de garrafas e outros objectos arremessados, os manifestantes atiraram ao ar rolos de papel higiénico (veja a fotogaleria acima).

Junto à Praça de Tetuan, em Barcelona, terão chegado mesmo a atirar ácido e pedras contra a barreira policial, enquanto noutros pontos da cidade foram lançados cocktails molotov. Segundo a polícia catalã, os manifestantes atiraram ainda material pirotécnico contra o helicóptero da polícia que sobrevoava a zona.

Vários contentores do lixo foram queimados nas ruas de Barcelona e, de acordo com o El País, pelo menos dez carros e uma mota foram apanhados pelo fogo na rua Roger de Flor, em Barcelona, que foi entretanto controlado pelos bombeiros. Os veículos estavam perto de um foco de incêndio e as chamas chegaram também a ameaçar um estabelecimento comercial. Um posto de gasolina foi cercado pelas autoridades e, pelas 23h (hora local) desta quarta-feira, contabilizavam-se 45 fogos simultâneos no centro de Barcelona. Por volta das 23h50, segundo o El País, a Polícia Nacional e os Mossos d'Esquadra começaram a desmobilizar na Gran Vía de Barcelona, com os bombeiros a permanecerem no local para apagar as chamas.

Os manifestantes também se encontram reunidos em cidades como Girona, Tarragona e Terrassa. Segundo o diário La Vanguardia, um manifestante, de 17 anos, foi atropelado por uma carrinha dos Mossos d'Esquadra em Tarragona e uma outra pessoa terá sido também atingida por um contentor durante a actuação da polícia. Em Lleida, os confrontos começaram por volta das 22h (hora local). Além de terem posto fogo a vários contentores, centenas de manifestantes terão atirado tijolos contra agentes da Polícia Nacional, que responderam com disparos de balas de borracha.

No terceiro dia de protestos, o Sistema de Emergências Médicas espanhol (SEM) contabilizou 52 feridos em Sils, Girona, Barcelona, ​​ Sallent, Manresa, Lleida e Tarragona. Em Barcelona, 32 pessoas foram assistidas, das quais pelo menos sete foram transportadas para o hospital. Um repórter da estação Telemadrid terá também ficado ferido durante a cobertura dos protestos.

Pelo menos vinte pessoas foram detidas em toda a Catalunha neste terceiro dia de protestos, segundo informação divulgada pelos Mossos d'Esquadra. Importa ressalvar que os quatro detidos durante os protestos de terça-feira em Barcelona foram hoje condenados a prisão preventiva, sem possibilidade de saída sob fiança.

“O movimento independentista não foi nem é violento”

O chefe do Governo, Pedro Sánchez, reagiu ao início da noite, dirigindo as primeiras palavras de agradecimento aos agentes das forças policiais (Mossos d’Esquadra, Polícia Nacional e Guarda Civil) que, nos últimos dias, têm combatido os “extremistas”, disse em conferência de imprensa. “Ontem assistimos à manifestação de pessoas pacíficas, mas também de grupos de vandalismo. Perante actos violentos, o Governo reitera que não vai consentir, sob nenhuma circunstância, que a violência se imponha à convivência. O Governo actua para garantir os direitos e a manutenção da ordem na Catalunha”, acrescentou.

“A comunidade catalã, e toda a comunidade espanhola, devem saber que o Governo de Espanha considera todos os cenários e irá responder com base em três regras: firmeza democrática, unidade dos partidos políticos e proporcionalidade na resposta”, afirmou Sánchez.

Pedro Sánchez disse ainda que, durante esta quarta-feira, se reuniu com os líderes das principais forças parlamentares e que os convidou a manter a unidade, afirmando que o objectivo dos “grupos violentos” é dividir o país. Apelando à serenidade e união, o chefe do Governo afirmou que embora “o direito ao protesto deva ser assegurado”, “não existem ideais que defendam o recurso à violência na sociedade espanhola, que alcançou a liberdade após um período longo e doloroso”.

Pedro Sánchez dirigiu-se ao presidente da Generalitat e aos membros do seu Governo, sublinhando que estes “têm o dever moral de condenar, sem desculpas, o recurso à violência na Catalunha”. Quanto às condenações de 12 dirigentes independentistas, Sánchez reiterou que “o que a sentença demonstra é o fracasso do processo independentista”. “Acho que [Quim] Torra governa cada vez mais em direcção ao radicalismo”, disse, na esperança de que se restabeleça a normalidade na Catalunha.

Horas mais tarde, o presidente do governo catalão, Quim Torra, apelou à calma e serenidade. “O movimento independentista não foi nem é violento. Não há justificação para queimar carros nem para nenhum acto de vandalismo. Os protestos devem ser sempre pacíficos”, disse em conferência de imprensa.

“É normal e é bom que protestemos por uma sentença injusta e absolutamente aberrante. As marchas de hoje são um exemplo magnífico. Não podemos permitir que grupos de infiltrados e provocadores destruam a imagem do independentismo, não podemos cair na armadilha”, acrescentou Torra.

Distanciando-se dos actos de vandalismo registados esta noite, Quim Torra sublinhou: “A 1 de Outubro derrotamos o Estado sem destruir nada. O independentismo constrói, não destrói”. “Repito: serenidade, determinação, civismo e não-violência”, concluiu o presidente do governo catalão.

PÚBLICO - Vários carros ficaram queimados pelas chamas em Barcelona
Vários carros ficaram queimados pelas chamas em Barcelona JON NAZCA/REUTERS
PÚBLICO - Um manifestante ferido em Barcelona
Um manifestante ferido em Barcelona Rafael Marchante/REUTERS
PÚBLICO -
Rafael Marchante/REUTERS
PÚBLICO -
JUAN MEDINA/REUTERS
Fotogaleria
JON NAZCA/REUTERS

A autarca de Barcelona, Ada Colau, referiu, por sua vez, em declarações ao canal Betevé que “Torra deve procurar cenários de diálogo e de saída política”. “Todos os grupos municipais devem contribuir para trazer a serenidade. Todo o diálogo será bom”, disse Colau. “Tal como exijo ao Estado e ao Presidente do Governo em funções que sejam mais empáticos com uma sentença injusta, peço ao govern uma maior presença e liderança nesta situação. A Generalitat tem de assumir a responsabilidade pelos seus apelos à mobilização”, concluiu Ada Colau.

Carles Puigdemont, ex-presidente da Generalitat, distanciou-se também dos “incendiários” numa publicação no Twitter: “Derrotamos o Estado sem pedras, sem fogo e sem destruição. Não precisamos de violência para ganhar, dela precisa o Estado para nos derrotar. Serenidade, mobilização e não-violência”.

“Há actos que não nos representam. O nosso dever é isolar qualquer comportamento violento. Não se podem permitir abusos e agressões policiais. Mas também devemos proteger o carácter cívico e pacífico das mobilizações. Sempre e em qualquer lugar”, afirmou, por sua vez, o presidente do parlamento catalão, Roger Torrent.

Já Meritxell Budó, porta-voz da Generalitat, partilhou imagens dos confrontos no Twitter, as quais classifica como “intoleráveis”. “Sem desculpas ou atenuantes. O movimento independentista é pacífico e democrático e não há razões que o justifiquem”, sublinhou.