Tudo o que Elida Almeida fez até hoje num só concerto

A celebrada cantora cabo-verdiana apresenta este sábado em Lisboa uma viagem pelas suas canções, até ao mais recente single. No cineteatro Capitólio, às 21h30.

Foto
Depois do concerto deste sábado em Lisboa, Elida Almeida é esperada em vários outros palcos, do México à Finlândia ANDRÉ CARRILHO/BIG

Já a preparar um novo disco, a cantora cabo-verdiana Elida Almeida apresenta-se este sábado no Capitólio, em Lisboa (às 21h30), com um resumo do que tem feito até aqui. Depois, esperam-na vários palcos: em França, no México e na Finlândia, na Womex, onde participa pela primeira vez.

Nascida a 15 de Fevereiro de 1993, na cidade de Pedra Badejo, Santa Cruz, Ilha de Santiago, Elida Almeida gravou até hoje três discos e vários singles, estes só com difusão nas plataformas digitais. E serão eles a base destes seus concertos, como Elida diz ao PÚBLICO: “O espectáculo vai ter músicas do primeiro disco, Ora Doci Ora Margos [2014] do Djunta Kudjer [2017] do Kebrada [2017] e dos singles gravados depois. Tudo o que fiz até hoje.”

Esses singles vão nascendo daquilo que é a sua própria fruição musical: “Não sou estática em termos de gostos, no que ouço e consumo no dia-a-dia. E tudo isso tem influência nas minhas composições, na forma como escrevo, nas melodias, nos arranjos. Ultimamente tenho ouvido músicas variadas do Brasil, da Nigéria, de descendentes africanos baseados em França, e também muita música cabo-verdiana. Tudo isso se mistura e sai da forma como sai.”

E o que saiu, nestes dois anos, foram cinco singles: Sou free, parceria com Flávia Coelho; Anu nobu; Final feliz, aqui convidada de Helio Batalha; Homi nha amiga, com Elji Beatzkilla; e, o mais recente, lançado já em Outubro, Ta due, dueto com a brasileira Roberta Campos. “O que tenho mostrado até agora, como singles, são parcerias com pessoas de que gosto muito. Cada música tem um significado diferente e especial.” O último single nasceu de uma viagem de Elida ao Brasil, em Setembro de 2018, para quatro espectáculos em São Paulo.

Foto
Elida Almeida DR

Uma aventura brasileira​

“Como todos os cabo-verdianos, eu conhecia a Roberta Campos das novelas, e gosto das músicas dela. Quando fui ao Brasil, perguntaram-me se gostaria de ter alguma espécie de intercâmbio com um artista brasileiro. Disse que sim, e expliquei que gosto muito da Roberta Campos, da forma como ela canta, porque transmite tudo o que ela diz em palavras, em expressões; ela sofre quando sofre e quando está feliz a gente sente isso na voz.”

Os organizadores arranjaram-lhes um encontro e prepararam juntas um tema para o espectáculo (onde Roberta até cantou em crioulo e Elida em português do Brasil); depois, surgiu a hipótese de fazerem uma canção, com letra das duas. “A música foi gravada em São Paulo, o videoclipe em Cabo Verde [na Cidade da Praia, na ilha de Santiago], e a finalização do trabalho fez-se entre Cabo Verde e França.” Os arranjos são de Hernani Almeida e a edição é da Lusafrica, a produtora sediada em França que lançou Cesária Évora (1941-2011) e que, entre outros artistas, edita agora Elida.

Para o início de 2020, haverá novo disco de Elida Almeida. Que, aliás, já está em marcha, diz ela: “Já fiz várias maquetas, ainda estamos na fase de selecção. E em Novembro vamos focar-nos a cem por cento no disco. A data prevista para edição é fins de Fevereiro, princípio de Março.”

Até lá, é nos palcos que Elida continuará a mostrar a sua arte e a compreender o valor do seu país: “Tenho aprendido que Cabo Verde é muito importante, muito conhecido e muito respeitado musicalmente no mundo. Temos salas cheias, com pessoas que foram ali para ouvir Cabo Verde: não me conhecem mas conhecem o nome do país e a sua fama musical. Tenho ganhado muita confiança com o poder da nossa música e aonde é possível chegar com ela.”