São Bento substitui Pardal Henriques e admite retirar pré-aviso de greve

Sindicato “mantém todos os pressupostos e o pré-aviso de greve” mas, afirmou o presidente, “se houver vontade da Antram e se chegar a um consenso até ao dia 7, o pré-aviso pode ser retirado”.

Francisco São Bento
Foto
Francisco São Bento LUSA/TIAGO PETINGA

O presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Francisco São Bento, vai substituir Pardal Henriques como porta-voz e admitiu nesta quinta-feira poder retirar o pré-aviso de greve se houver consenso nas reuniões com a Antram. 

O anúncio novo porta-voz do SNMMP foi hoje feito em Aveiras de Cima pelo próprio Francisco São Bento, na sequência do abandono do cargo por parte de Pedro Pardal Henriques para integrar as listas do PDR às eleições legislativas de 6 de Outubro. Para já, o sindicato “mantém todos os pressupostos e o pré-aviso de greve” mas, afirmou o presidente, “se houver vontade da Antram” e se “se chegar a um consenso até ao dia 7, o pré-aviso pode ser retirado”. 

Estamos a fazer todas as diligências nesse sentido, porque sabemos que temos de chegar à mesa das negociações para resolver todas as questões”, disse o presidente do sindicato, insistindo, mesmo assim, que não pretende abdicar dos pressupostos que constam do pré-aviso de greve e que, resume, se tratam de dizer que “pretendem que a lei seja cumprida”. São Bento refere-se ao pagamento de horas extraordinárias, que era uma das exigências dos trabalhadores. Para além disso, em causa também tem estado o reforço em 40% do subsídio de operações já negociado e aceite pela Antram. 

O que mudou, então, desde segunda-feira? Nos pressupostos, nada. E Francisco São Bento confirma que desde esse dia ainda não teve mais nenhum contacto nem com o Governo, nem com a Antram. “Mas a todo o momento podemos sentar-nos a negociar. Até lá, o pré-aviso de greve continua em cima da mesa. Para a próxima segunda-feira está marcada uma reunião na Direcção Geral de Emprego e Relações de Trabalho, para discutir os serviços mínimos.

Ao que o PÚBLICO conseguiu apurar, as diligências estão a ser feitas por Bruno Fialho, dirigente do Sindicato Nacional de Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), que tem estado a dar apoio ao SNMMP. O actual objectivo de Bruno Fialho é conseguir que Antram e SNMMP se consigam sentar à mesma mesa, ainda antes de assinarem o objecto de mediação e avançarem para as negociações. O facto de Pedro Pardal Henriques ter saído de cena poderá facilitar o encontro. 

Os motoristas de matérias perigosas vão voltar à greve entre os dias 7 e 22 de Setembro, mas desta vez só aos fins-de-semana e trabalho extraordinário, anunciou o sindicato na quarta-feira.

A greve dos motoristas de matérias perigosas, que levou o Governo a adoptar medidas excepcionais para assegurar o abastecimento de combustível, terminou no domingo, ao fim de sete dias de protesto, depois de o SNMMP, que se mantinha isolado na paralisação desde quinta-feira à noite, a ter desconvocado.

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias desvinculou-se da greve ao quarto dia, na quinta-feira à noite, e vai regressar às negociações com o patronato em 12 de Setembro.