Trump manifesta interesse em comprar a Gronelândia

A possibilidade foi mencionada em reuniões, jantares e conversas, alturas em que o Presidente norte-americano demonstrou grande interesse nos recursos naturais e na importância geopolítica do território.

Fotogaleria
Reuters/Lucas Jackson
Fotogaleria
Reuters/LUCAS JACKSON

Donald Trump pediu aos seus assessores que averiguem se é possível comprar a Gronelândia, avançaram duas fontes próximas do Presidente ao Wall Street Journal e ao Washington Post, na quinta-feira.

As duas fontes falaram sob anonimato porque não estavam autorizadas a revelar os planos da Casa Branca. De acordo com o Washington Post, o pedido foi recebido com alguma surpresa pelos assistentes do Presidente, que ainda não sabem se é um pedido sério. De acordo com as mesmas fontes, não é a primeira vez que Trump menciona essa possibilidade, com “diferentes graus de seriedade”, refere o Wall Street Journal.

A possibilidade foi exposta em reuniões, jantares e conversas, alturas em que o Presidente norte-americano demonstrou grande interesse nos recursos naturais e na importância geopolítica do território. Na última Primavera, durante um jantar com vários associados, Trump mencionou que a Dinamarca estava a ter dificuldades em financiar a Gronelândia e que estava a considerar comprar a ilha. “O que acham disso?”, perguntou, de acordo com o Wall Street Journal.

A fonte ouvida pelo jornal descreveu a pergunta como “pouco séria” e acredita que a ideia lhe interessava sobretudo pela possibilidade de lhe dar um legado semelhante ao do Presidente Dwight Eisenhower, que fez do Alasca um estado norte-americano.

De acordo com o Post, os seus assessores estão à espera de mais informação para decidir se deverão olhar para o assunto de forma mais séria.

Entre as principais preocupações de Trump está a legalidade da hipotética transacção: é que a Gronelândia tem o seu próprio governo autónomo e faz parte do Reino da Dinamarca. Com cerca de 2,1 milhões de km2 e 56 mil habitantes (o que faz desta ilha um dos países menos populosos do mundo), o governo da Gronelândia tem autonomia para decidir sobre questões internas, mas as decisões sobre negócios estrangeiros e segurança estão nas mãos de Copenhaga. A origem do dinheiro para completar a transacção é outra das preocupações do Presidente norte-americano.

Donald Trump tem agendada uma visita oficial à Dinamarca para daqui a duas semanas, ainda que não seja para discutir a possibilidade de compra da maior ilha do mundo, avança o Wall Street Journal.

Questionados pelo mesmo jornal, a Casa Branca e o Departamento de Estado não comentaram sobre este assunto. Da parte da Casa Real da Dinamarca e da Embaixada dinamarquesa nos EUA também não houve comentários.

“Digo ‘não, obrigada’ a que comprem a Gronelândia. É melhor reforçar a relação com a Dinamarca. Há que sublinhar também que não é uma mercadoria que se possa vender”, escreveu no Twitter Aaja Chemnitz Larsen, uma das deputadas eleitas pela Gronelândia no parlamento dinamarquês a propósito dos rumores sobre a compra do território.

Ane Lone Bagger, ministra dos Negócios Estrangeiros da Gronelândia disse que “estava disponível para negociar”, mas que o país “não está à venda”, cita a Reuters.

A posição de outros políticos dinamarqueses é semelhante: “Deve ser uma piada do Dia das Mentiras… Totalmente fora de época”, escreveu no Twitter o antigo primeiro-ministro Lars Løkke Rasmussen, actual líder da oposição.

Apesar de não ser claro ainda se os Estados Unidos querem mesmo comprar a Gronelândia, é um facto que a sua administração identificou o Árctico como uma região importante em questões de defesa e segurança, algo que poderá justificar uma possível compra.

“Este é o momento da América se afirmar como uma nação do Árctico”, disse Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, em Maio durante uma visita à Finlândia. “A região tornou-se numa arena de poder global e competição”.

Trump não é o primeiro Presidente norte-americano a alimentar esta ideia. As Forças Armadas norte-americanas estiveram presentes na Gronelândia durante a II Guerra Mundial, como forma de proteger o país contra as investidas alemãs. Depois da guerra, em 1946, a Administração de Harry Truman ofereceu 100 milhões de dólares à Dinamarca para comprar o território, mas a Dinamarca recusou-se a vendê-lo. Foi a segunda vez que os norte-americanos tentaram comprar a ilha – a primeira foi em 1897.

Os dois países assinaram um tratado de defesa há várias décadas – desde os anos da Guerra Fria – que deu aos EUA a possibilidade de instalarem na Gronelândia a sua base militar mais a norte: a base aérea de Thule, construída em 1951, situada a 1200 km a norte do círculo árctico.